Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca

AGÊNCIA DE

Notícias

Institucional

Dia Internacional das Mulheres: conheça cinco mulheres que estão a frente de projetos sociais e educacionais

Iniciativas apoiadas pelo Itaú Social se destacam na por meio do trabalho social e da sua articulação com as comunidades


Para celebrar o Dia Internacional das Mulheres (8), o Itaú Social destaca cinco projetos sociais apoiados pela instituição que têm lideranças femininas. São mulheres com diferentes perfis socioeconômicos e visões de mundo distintas, mas que têm em comum a capacidade de contribuir para um mundo melhor, por meio de seu trabalho e sua articulação com as comunidades.

A atuação das OSCs (organizações da sociedade civil) impacta a vida de crianças e adolescentes do território. Conheça:

Projeto: Farol da Cidadania
Cidade: Coruripe (AL)
Responsável: Elytânya Vasconcelos

Para ajudar a reduzir os índices de evasão escolar na cidade de Coruripe (AL), a Avic (Associação Vida e Cidadania), em parceria com o Itaú Social, desenvolve o projeto Farol da Cidadania. Liderado pela psicóloga Elytânya Vasconcelos, a iniciativa tem apoio de quatro escolas públicas do município e organiza uma equipe para realizar visitas às famílias, com o objetivo de entender as dificuldades que levam os estudantes a desistirem dos estudos, além de motivá-los a permanecer na escola. 

De acordo com a psicóloga, a maior recompensa de seu projeto é observar o impacto na vida das crianças e dos adolescentes: “O que me motiva a continuar com este trabalho é presenciar  as transformações nas vidas que conseguimos alcançar por meio das nossas ações. Acompanhar a evolução de meninos e meninas nas atividades do projeto, testemunhar e melhorar seu desempenho escolar e a convivência familiar provoca sensação de dever cumprido”.

Além do acompanhamento profissional, o projeto promove outras atividades, como  aulas de dança, capoeira, percussão, formação política e contação de histórias, como forma de aumentar a participação da criança e do adolescente no ambiente escolar. Desde 2016, cerca de 1.200 famílias já foram atendidas pela iniciativa.


OSC: Circo Multicor
Município: Beberibe (CE)
Responsável: Lucelena Honorato 

Na cidade de Beberibe (CE), a educadora Lucelena Honorato está à frente do projeto Circo Multicor. Com o objetivo de promover uma educação antirracista por meio de atividades artísticas e culturais, a iniciativa traz atividades que valorizam a ancestralidade e o pertencimento da criança no território de acordo com a sua origem.

“Sinto-me feliz em compartilhar com a comunidade os avanços e conquistas socioeducacionais que nosso projeto vem conquistando. Acredito que o Circo Multicor tem a capacidade de melhorar as vidas de pessoas de várias áreas, principalmente porque faz o enfrentamento aos preconceitos e às discriminações raciais”, argumenta Lucelena.

Em 2018, a iniciativa recebeu apoio do Itaú Social e a partir deste incentivo, a OSC passa a oferecer atividades como vivências e oficinas multilinguagens; teatros; produção de livros e material pedagógico; campanhas de desnaturalização do racismo; e formações com docentes do ensino público.


OSC: Vaga Lume
Municípios: Amazônia Legal
Responsável: Sylvia Magalhães

Presente em 22 municípios da Amazônia Legal, território que compreende nove estados brasileiros, a Vaga Lume é responsável pela gestão de 86 bibliotecas comunitárias e pela formação de 4.800 mediadores de leitura. Para tornar esse trabalho possível, a iniciativa conta com diversas parcerias, entre elas com o Itaú Social.

“Apesar de ser difícil ter recursos para avaliação e para comprovar, com metodologia científica, o impacto de nosso trabalho na Amazônia, há 20 anos sou testemunha dos resultados incríveis gerados pelas bibliotecas comunitárias. Quando a gente vê que está, de fato, fazendo a diferença no mundo é impossível parar”, comenta a presidente da Vaga Lume, Sylvia Magalhães.

Com o tempo, a descoberta da biblioteca como espaço de articulação comunitária deu lugar a novos projetos, que agora permitem o uso das ferramentas digitais na formação de leitores. Essas ferramentas chegam aos poucos e se incorporam ao dia a dia de uma comunidade já interessada em ler.


OSC: O Canto da Patativa
Município: Assaré (CE)
Responsável: Kelly Rodrigues

Outro projeto de incentivo à leitura é O Canto da Patativa, atualmente protagonizado por Kelly Rodrigues. Criado em 2004 na cidade de Assaré (CE), a iniciativa atende anualmente mais de 500 jovens matriculados na rede municipal de ensino, distribuindo kits de livros infantis e promovendo encontros de contação de histórias.

Kelly iniciou no projeto como aluna em 2015. Graças ao seu desejo de mudar sua comunidade, se engajou em ações sociais e se tornou a presidente da OSC: “Minha maior motivação nessa luta diária é o desejo de transformação de vidas de crianças e adolescentes por meio da arte e da educação. Iniciei como aluna e hoje levo comigo a missão de resguardar a obra do Patativa do Assaré, poeta popular e morador da cidade”, reflete.

Em 2021, O Canto da Patativa recebeu os livros Os olhos do jaguar, de Yaguarê Yamã, e Enquanto o almoço não fica pronto…, de Sonia Rosa, ambos distribuídos por meio do programa Leia para uma Criança, do Itaú Social, e que tem a proposta de incentivar a leitura do adulto com a criança.


OSC: Fundação Terra
Município: Arcoverde (PE)
Responsável pela ações sociais: Christiane Casal

Foi no município de Arcoverde (PE) que a Fundação Terra deu seu primeiro passo, inaugurando a Escolinha Ping Pong. Atualmente a instituição tem a parceria do Itaú Social, por meio do programa Comunidade, Presente!, e conta com duas unidades escolares, oferecendo ensino gratuito para crianças em situação de vulnerabilidade social. 

A OSC possui 300 colaboradores e promove atividades de combate ao trabalho infantil que alcança os estados do Ceará e da Paraíba, além de projetos de incentivo a agricultura familiar e a sustentabilidade. 

A assistente social que atua no setor de Promoção Social da organização, Christiane Casal, destaca que esse sucesso está na motivação que o trabalho social provoca: “Por meio desses projetos e programas é possível transformar a realidade das pessoas, além de promover espaços de reflexão e mudança que pode gerar o empoderamento das famílias”.