Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca

AGÊNCIA DE

Notícias

Especiais

A tônica das redes territoriais

No último episódio da série, entenda a importância e valor das redes territoriais para o desenvolvimento institucional de OSCs


Um dos principais papéis das organizações da sociedade civil é ser um espaço de participação pública que articula pessoas, recursos e processos para o encaminhamento das demandas comunitárias. Assim, uma OSC, se olhada por uma lupa, é também uma rede.

Pensarmos nas OSCs por essa perspectiva nos permite compreender a complexidade inerente a esse tipo de instituição e, portanto, os desafios que são próprios de sua atuação. Isso porque, além de serem compostas por diferentes projetos, atores, áreas distintas – como qualquer instituição –, também precisam ser porosas às redes externas, acompanhando continuamente as questões emergentes com seus pares, parceiros e comunidades onde atuam.

A estrutura de redes é importante para a existência da sociedade civil e de suas ações. No seminário Investidores Sociais e o Fortalecimento Institucional de OSCs, realizado pelo Itaú Social, Scott Dupree, professor de Development Practice (Práticas de Desenvolvimento) na Regis University, no Colorado (EUA), comenta que o valor das redes territoriais passa por três princípios:

  • 1) Ação – atuar em conjunto com outros agentes, como empresas e governos, para resultados mais eficazes;
  • 2) Compreensão – compreender os problemas e trocar aprendizagens por meio do diálogo;
  • 3) Inovação – experimentar novas soluções a partir do contato com outros atores e redes.

Entendendo a importância e reconhecendo o valor dessa forma colaborativa de ação, o investimento em redes é primordial para a atuação da sociedade civil. A articulação dos recursos deve considerar a forma como as redes se organizam e articulam outros atores dentro do ecossistema. Não só as OSCs devem entrar nesse modelo, como os próprios investidores, para que o impacto tenha uma abrangência maior que só o sistema de redes pode oferecer.

É importante valorizar a inteligência coletiva, pensar em rede, em conexões e em ecossistemas.

Domingos Armani, consultor de desenvolvimento institucional de OSCs no seminário Investidores Sociais e o Fortalecimento Institucional de OSCs.

Investimento em redes

No Encontro Nacional Experiências em Rede, realizado pelo Itaú Social, o filósofo e pensador de educação Bernardo Toro comenta sobre a forma de estruturação das redes. Segundo ele, a necessidade da união entre atores surge a partir de interesses em comum. Uma vez que esses interesses estejam alinhados, a organização é fundamental para o funcionamento da rede e a realização de mudanças sociais. Trabalhar dessa forma, segundo o pensador, deve ser uma das atividades mais valorizadas pela sociedade e alcançar todos os níveis de participação de um ecossistema. Aplicando essa ideia no setor social, o trabalho colaborativo deve abranger tanto as organizações da sociedade civil quanto os investidores.

A articulação em rede entre investidores sociais é um fator positivo no Brasil. Segundo o Censo GIFE 2020, 93% dos financiadores que integram redes ou grupos  entendem que a ação compartilhada ajuda no alcance de objetivos comuns. A presença nesses sistemas se concentra principalmente na participação regular em grupos de trabalhos e 42% assumem papéis de governança nas redes que participam. Na pesquisa, constatou-se que 78% dos investidores destinaram recursos para mobilização, conscientização e articulação de atores; 73% para articulação e fortalecimento de redes; e 67% para fortalecimento de organizações, grupos, comunidades e movimentos sociais.

Durante a pandemia, o principal formato de ação colaborativa foi o aporte de recursos entre o grupo de investidores, porém, outras ações também são destaques, como a promoção de conexão e articulação entre atores e o compartilhamento de métodos e estratégias de atuação. No Censo GIFE de 2018, 52% do grupo de apoiadores afirmou que a troca de informações e conhecimento é um dos atributos mais valiosos no trabalho, demonstrando que esse tipo de investimento transpõe o eixo financeiro e que os benefícios e aprendizados do sistema colaborativo não são apenas para as organizações da sociedade civil, mas atingem os próprios investidores.

Mergulhe nesta pauta

Percurso formativo – Redes e parcerias

Na plataforma Polo, é possível acessar o percurso formativo Redes e parcerias, composto por 5 cursos com o objetivo de auxiliar as OSCs a alcançarem suas metas e objetivos, oferecendo metodologias e ferramentas que favorecem o trabalho coletivo e a construção de planos de ação para a melhoria da oferta educativa e do atendimento de crianças, adolescentes e suas famílias. Acesse aqui!

Curso – Mapa de Identidades: ação coletiva no território

Está disponível, na plataforma Polo, o curso gratuito Mapa de Identidades: ação coletiva no território. A formação tem como objetivo apresentar estratégias e ferramentas de engajamento e criação de rede, despertando um olhar apreciativo para o território. Acesse aqui!

Artigo – Desafios do Investimento Social Privado para fortalecer redes territoriais de impacto social

O texto trata dos desafios do investimento social privado para fortalecer redes territoriais voltadas para o impacto social, explorando a relação entre a teoria e a prática da atuação colaborativa, os desafios pertinentes e os recursos possíveis para o desenvolvimento do trabalho. Acesse aqui!

Publicação – Filantropia Colaborativa

A publicação é o terceiro volume da série “Temas do Investimento Social”, do Grupo de Instituto, Fundações e Empresas (GIFE), e busca apresentar um panorama sobre o desenvolvimento de novas arquiteturas que permitem e contribuem com o aprofundamento dos modos de ação coletiva e colaborativa no setor social. Acesse aqui!

Encontro – Experiências em Rede 

O Encontro Nacional Experiências em Rede: práticas educativas e colaborativas entre as OSCs na pandemia uniu, no contexto da pandemia, representantes da equipe do Itaú Social, especialistas em educação e atores sociais para discutir a importância da atuação em rede para potencializar os impactos positivos dos processos educativos na vida de crianças e adolescentes. Acesse aqui!

Seminário – Investidores sociais e o Fortalecimento Institucional de OSCs

O evento reuniu investidores, empresários e representantes de organizações da sociedade civil que compartilharam reflexões e experiências a partir de diferentes estratégias e formas de relacionamento entre investidores sociais e OSCs no Brasil e em outros países. Acesse aqui!

Redes digitais

Com o avanço da tecnologia no território brasileiro, as redes se organizam também em outros espaços. O trabalho não é somente no território físico, mas perpassa as fronteiras do mundo digital. As comunidades formadas via Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) funcionam como uma ambiência de compartilhamento entre pares, consolidando aprendizados de forma colaborativa.

O Itaú Social, desde 2019, trabalha com o conceito de redes digitais e aprendizagem com o Polo, ambiente de formação concebido para oferecer conteúdos e cursos que respondam aos principais desafios de quem trabalha e se interessa por educação. No vídeo abaixo, Cláudia Sintoni, coordenadora de formação do Itaú Social, conta mais sobre a formação e troca de aprendizagens entre OSCs no meio digital.

Confira a entrevista!

Experiências inovadoras

O Arranjo de Desenvolvimento da Educação (ADE) da Chapada Diamantina e Regiões é uma rede de municípios que tem como objetivo a valorização e a formação continuada dos profissionais da educação, de técnicos da secretaria a professores, para melhoria dos resultados de aprendizagem dos estudantes. A rede possui parceria com o programa do Itaú Social Melhoria da Educação e há mais de 20 anos trabalha em conjunto em prol do sistema educacional. Saiba mais aqui!

A rede de bibliotecas tem como foco a democratização do acesso ao livro, à leitura, à literatura e às bibliotecas sob a perspectiva da leitura como direito humano. Criada em 2006, atualmente reúne mais de 100 bibliotecas em 9 estados brasileiros e conta com a parceria institucional do Itaú Social desde 2018. Saiba mais aqui!

Em 2021, o Itaú Social, reconhecendo a importância das redes territoriais, desenvolveu o Experiências em Rede, programa que fortaleceu e estimulou a colaboração entre OSCs de um mesmo território para que, juntas, contribuíssem no aprimoramento dos processos educacionais de crianças e adolescentes. Saiba mais aqui!


Navegue na série

FICHA TÉCNICA

Edição e entrevista: Fernanda F. Zanelli Texto e diagramação: Lucas Gregório | 
Identidade visual: Rodrigo Souza Silva | Direção de arte: Caronte | Ilustração: Julia Coppa | Revisão ortográfica: Beatriz Gross |
Colaboração: Ana Maria Carminato, Camila Feldberg, Cláudia Sintoni, Fernanda Andrade e Raquel Ornellas


 

Assine nossa newsletter

Com ela você fica por dentro de oportunidades como cursos, eventos e conhece histórias inspiradoras sobre profissionais da educação, famílias e organizações da sociedade civil.