Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca

AGÊNCIA DE

Notícias

Parceiros na educação

Diminuindo distâncias

No município mais indígena do Brasil, o Centro Missionário Salesiano distribui cestas básicas para a comunidade ianomâmi com o apoio do programa Comunidade, Presente!


O Centro Missionário Salesiano atua com comunidades em vulnerabilidade em São Gabriel da Cachoeira (AM), na fronteira com Colômbia e Venezuela: espaço para educação e recreação de crianças e jovens, aqui em registro feito antes da pandemia. Foto: Edneia Trindade

Por Ariel Bentes, Rede Galápagos, Manaus (AM)

Beira os 30 anos a história do Centro Missionário Salesiano em São Gabriel da Cachoeira, Amazonas. Esse é o município que possui a maior população indígena em termos absolutos do país: são 29 mil pessoas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Desde 1995, o Centro é um espaço de aprendizagem, cultura, esportes e recreação para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, com idade entre 7 e 17 anos. No local, uma equipe de seis pessoas cuida das quadras, salas e laboratórios que oferecem cursos de informática, padaria, corte e costura, violão e outras atividades para os mais de 300 jovens atendidos anualmente pela organização. São Gabriel da Cachoeira fica no extremo noroeste do Brasil, na fronteira com Colômbia e Venezuela.

“São 23 etnias e três línguas oficiais aqui (nheengatu, tukano e baniwa). Os indígenas são o nosso principal público”, enumera Edneia Trindade, que há dois anos é assistente social do Centro. “Este é o único local que serve como ponto de encontro e possui profissionalização gratuita para os jovens da cidade e da região do Alto Rio Negro. Muitos dos ex-alunos são médicos, advogados, doutores e até políticos conhecidos do município.” 

Entrada do Centro Missionário Salesiano de São Gabriel da Cachoeira, também conhecido como Centro Juvenil Salesiano. Foto: Edneia Trindade

Com a falta de parcerias e de recursos financeiros, o Centro Missionário Salesiano chegou a ficar fechado de 2018 até o segundo semestre de 2020. Mas conseguiu retomar sua ação com a comunidade. Durante a pandemia da Covid-19, a instituição contou com o apoio do Itaú Social, por meio do edital Comunidade, Presente!. Desde março de 2020, o programa beneficiou milhares de famílias com a distribuição de kits com itens essenciais de consumo, como alimentos, produtos de higiene e gás de cozinha. A ação foi realizada por intermédio de organizações da sociedade civil (OSCs), como o Centro Missionário Salesiano.

“Nossos laboratórios estão montados, mas não tínhamos mais como pagar os instrutores para os cursos”, explica a assistente social Edneia Trindade. “Quando veio a pandemia, fechou tudo na cidade e não sabíamos o que fazer para ajudar, até que eu vi a divulgação do Comunidade, Presente! na televisão e sugeri ao diretor da época que a gente se inscrevesse.” 

O apoio do programa foi essencial para que a organização pudesse abrir novamente as suas portas e ajudar a comunidade indígena do povo ianomâmi. Maturacá fica dentro do Parque Nacional do Pico da Neblina, conhecido por abrigar o ponto mais alto do Brasil. Os colaboradores do Centro precisaram enfrentar uma viagem de cerca de 20 horas, entre estradas de terra batida e barcos, da sede do município até a comunidade, onde residem cerca de 4 mil pessoas. 

“O município de São Gabriel da Cachoeira é gigantesco — o terceiro maior do Brasil em extensão territorial — e muitas comunidades ribeirinhas e indígenas vivem aqui”, explica Washington Luís, padre salesiano e diretor do Centro Missionário da cidade. “Neste momento pandêmico, todos precisam de assistência, mas nós entendemos que aqueles que residem em áreas mais distantes, como os moradores de Maturacá, estão precisando bem mais”, diz. 

Em Maturacá, 120 famílias foram beneficiadas com cestas básicas entre os meses de outubro e novembro, totalizando 360 cestas distribuídas. “Se chover, o percurso até a comunidade pode levar um dia e isso é bem puxado, mas ao chegar ao local e ver a satisfação dessas famílias concluímos que o caminho realmente vale a pena”, explica o diretor Washington Luís. “As famílias ficaram muito agradecidas, pois a ação ajudou diversas crianças que estão em situação de vulnerabilidade alimentar. É enorme o impacto desse apoio na vida dessas crianças”, afirma. 

Ação de distribuição de cestas básicas na comunidade de Maturacá, localizada no Parque Nacional do Pico da Neblina: viagens de 20 horas de duração, dentro do imenso município. Foto: Edneia Trindade

O diretor da organização ressalta que a vacinação contra a Covid-19 na cidade tem trazido proteção, mas lembra que é preciso ter cautela na flexibilização das medidas e no retorno das atividades. Com isso, ainda não é possível retornar com os cursos no Centro Salesiano. Assim, a organização está com parte das suas atividades funcionando de forma restrita, em espaços abertos e sem aglomerações, como as brincadeiras ao ar livre. 

Edneia conta que as recreações não podem parar, pois são fundamentais para aquelas crianças e jovens que querem aproveitar o tempo livre. “Estamos buscando outros projetos e parcerias que possibilitem a volta dos cursos nos próximos meses. Enquanto isso trabalhamos como dá. Sempre nos procuram para saber dos cursos e de que formas podem se profissionalizar. Às vezes eles não têm onde ficar o dia inteiro e querem aproveitar esse tempo livre para aprender ou interagir com outras pessoas, e o Centro é uma oportunidade para isso.” 

Saiba mais

Leia mais