Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Crianças trocam férias por aulas criativas de matemática

Com apoio do Itaú Social, iniciativa do Instituto Sidarta envolveu cerca de 100 alunos de escolas públicas de Cotia

Alunos da rede pública de Cotia (SP) participaram do curso de férias Mentalidades Matemáticas. Foto: Instituto Sidarta

 

Cerca de 100 crianças da cidade de Cotia (SP) trocaram as férias por aulas criativas de matemática – e descobriram que também há diversão no mundo dos números. Iniciativa do Instituto Sidarta, em parceria com o Itaú Social, o curso de férias Mentalidades Matemáticas envolveu estudantes de duas escolas públicas entre os dias 6 e 17 de janeiro, com o objetivo de disseminar uma abordagem inovadora da disciplina.

A proposta do curso teve como base estudos da neurociência e da aprendizagem da matemática, desenvolvida pela professora Jo Boaler, ligada à Universidade de Stanford (EUA) e fundadora da plataforma Youcubed. Com apoio da Prefeitura de Cotia, as aulas ocorreram em quatro turmas na Escola Municipal Prefeito Ivo Mario Isaac Pires, com meninas e meninos aprovados para o 5º ano do Ensino Fundamental.

A iniciativa é inédita na América Latina. “Era um sonho trazer esse curso para o Brasil, que teve um grande impacto nos Estados Unidos. As crianças brasileiras tiveram a oportunidade de desfrutar de uma matemática aberta, criativa e visual”, afirma a especialista em educação do Itaú Social, Juliana Yade. Nos EUA, uma pesquisa realizada com os alunos participantes mostrou que, com apenas 18 dias de curso de férias, eles evoluíram o equivalente a 2,7 anos de ensino regular de matemática.

 

Confira depoimentos de alunas e alunos participantes do curso.

 

Diretor de pesquisa do Centro de Estudos Youcubed,  Jack Dieckmann acompanhou o curso de férias em Cotia. Ele será responsável por coordenar o estudo sobre os impactos do curso no Brasil, em parceria com a Fundação Carlos Chagas, a partir da avaliação de ensino e aprendizagem de alunos e professores.

 

Crianças participaram de atividades lúdicas na quadra da escola. Foto: Instituto Sidarta.

 

As aulas aconteceram das 8h às 16h, com intervalo para o almoço. De manhã, o foco era abordar questões matemáticas nas salas e, à tarde, ocupar outros espaços da escola com atividades mais lúdicas. “Certamente as crianças saíram das aulas mais confiantes em si mesmas, sabendo que podem aprender, compartilhar com seus amigos e ajudar no processo de aprendizagem. O curso, como um todo, transmitiu muitas mensagens que elas vão levar para a vida”, considera Juliana.

O curso também contou com a presença de 16 educadores, professores e estudantes de matemática e de pedagogia, que concluíram a formação de 100 horas do programa Mentalidades Matemáticas, ao longo de três meses, com a participação de Dieckmann.

 

Programa Mentalidades Matemáticas

De acordo com Juliana Yade, o apoio ao programa Mentalidades Matemáticas tem como propósito contribuir com a melhoria da educação pública no Brasil. “Essa contribuição se materializa a partir da implementação e compartilhamento de tecnologias sociais que de fato auxiliem no processo de aprendizagem das crianças, adolescentes e jovens na escola, e também no processo de formação docente.”

Entre as ferramentas do Mentalidades Matemáticas está o Youcubed, plataforma que reúne jogos, ideias inspiradoras, vídeos e outros materiais, que propõem o ensino da disciplina de forma criativa. Traduzido para o português numa parceria entre o Itaú Social e o Instituto Sidarta, o conteúdo é voltado não só para professores e estudantes, mas também para os pais e alunos. Estamos traduzindo e adaptando para a realidade brasileira os conteúdos do próprio Youcubed para que todos possam fazer uso e apoiar as atividades das aulas de matemática.”

Também foram realizados os seminários Mentalidades Matemáticas, com a presença de professores, coordenadores e diretores de escolas. A primeira edição, em 2018, contou com a participação de Jack Dieckmann. Em 2019, Jo Boaler esteve no evento, ao lado de Cathy Williams, pesquisadora da Universidade de Stanford (EUA). O vídeo de suas apresentações podem ser conferidos neste link.