Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional
Notícias Parceiros na educação

Prática do cuidado

Em Primavera do Leste, Mato Grosso, iniciativas da escola Parma Vida em parceria com o programa Comunidade, Presente! apoiam estudantes e suas famílias durante a pandemia


Tatiane, com sua filha, Helena: “É muito bom saber que enquanto eu trabalho ela está sendo bem cuidada, está alimentada. Que tem acompanhamento médico, de fonoaudiólogo, dentista”. Foto: Arquivo pessoal

Por Lidiane Barros, Rede Galápagos, Cuiabá (MT)

A surpresa e a alegria de ver chegar em casa a cesta com alimentos e kit de higiene motivaram o pequeno Lucas Carvalho Cordeiro a gravar um vídeo de agradecimento, “endereçado” à Escola Municipal em Tempo Integral Maria Dallafiora Costa Parma Vida, em Primavera do Leste, Mato Grosso. A ansiedade pelo retorno à sala de aula naquele que era seu primeiro ano no colégio foi atenuada pelo gesto de cuidado. O ingresso do aluno de oito anos, que hoje está no segundo ano do ensino fundamental, era almejado pela mãe, Fabiana Frassão de Carvalho, muito antes de o menino nascer. “Conheci o projeto no início, quando da sua criação, pelo padre Onesto Costa”, conta ela. “Admirava demais o que ele estava desenvolvendo e pensava sempre: ‘Se um dia tiver um filho, quero que ele estude aqui’. O padre deixou um legado que permanece com a incansável dedicação da irmã Iradi.”

A doação da cesta, durante três meses, aliviou as preocupações da família em outubro, novembro e dezembro de 2020. “Precisávamos demais, pois apenas meu marido tem emprego. Não posso trabalhar por causa de um problema na coluna e estou há muito tempo tentando conseguir a aposentadoria por invalidez.” Fabiana sabe do comprometimento da escola com os alunos e suas famílias, pois é membro do Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar (CDCE). “É uma maneira de retribuir o que a escola faz por nós. E eu admiro ainda mais o projeto ao passo que passei a fazer parte dessa engrenagem.”  

Lucas junto à cesta básica com um mimo feito pelos professores: vídeo de agradecimento à escola. Foto: Arquivo pessoal

A escola pública é uma das mais procuradas da cidade e ao longo dos anos tem sido suporte aos trabalhadores de Primavera do Leste. Localizada a 230 quilômetros de Cuiabá, a cidade tem a sétima maior economia do estado e o sexto maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dentre os 141 municípios mato-grossenses. Desde o ano 2000, o Projeto Parma Vida atua em regime de parceria entre a prefeitura municipal e a Igreja católica, atendendo uma média anual de 400 crianças. Atualmente são crianças cursando do primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental, que desde 2016 se tornou escola em tempo integral. 

Novidade no retorno às aulas: tablets serão usados inicialmente para aplicar avaliações de aprendizagem. Foto: Arquivo Escola Municipal em Tempo Integral Maria Dallafiora Costa Parma Vida. Foto: Divulgação

Apoio a quem mais precisa
Uma minuciosa triagem é feita no período de matrículas para garantir que as famílias mais vulneráveis sejam contempladas, principalmente aquelas cujas famílias atuam em empregos informais e subempregos. Os responsáveis seguem para o trabalho, seguros de que as crianças estão em boas mãos.

A alimentação da estudante Helena Silva Kreuzberg, sete anos, é algo que preocupa a mãe, Tatiane da Silva. Cozinheira em um restaurante da cidade, passa quase o dia todo fora. “Tive uma infância difícil. Saí de Barra do Bugres para Primavera há 12 anos, em busca de melhores condições de vida. É muito bom saber que enquanto eu trabalho ela está sendo bem cuidada, está alimentada. Que tem acompanhamento médico, de fonoaudiólogo, dentista. É uma preocupação a menos. Eu nunca tive isso. Não sei qual caminho ela vai seguir, mas só de ela ter uma boa educação já me acalma o coração. A mãe também integra o CDCE. “A gestão dos recursos é feita de maneira muito transparente e, além disso, nossas sugestões são avaliadas, participamos ativamente das decisões, auxiliamos no planejamento de melhorias que vão impactar a vida de nossos filhos.”

Cultivando alimento e futuro: irmã Iradi, diretora e horticultora. Foto: Arquivo Parma Vida. Foto: Divulgação

Verduras da horta no cardápio
Foi diante da preocupação de não poder atender as crianças com as refeições diárias — café da manhã, almoço e lanches — fornecidas pela escola que a direção buscou o programa Comunidade, Presente! do Itaú Social no período de suspensão das aulas presenciais como enfrentamento da pandemia. Há 15 anos o programa Comunidade, Presente! apoia organizações da sociedade civil em todo o Brasil.

Em 2020, teve o seu formato reformulado para apoiar nos enfrentamentos causados pela pandemia e, desde então, beneficiou milhares de famílias com a distribuição de kits com itens essenciais de consumo, como alimentos, produtos de higiene e gás de cozinha. A ação foi realizada em 17 estados brasileiros. Com o recurso, a OSC pôde fornecer 400 cestas básicas, que foram distribuídas para quem mais precisava, por três meses, em 2020.

A ação garantiu continuidade das estratégias que prezam pelo desenvolvimento integral das crianças. Quando estão na escola, elas recebem café da manhã, almoço e lanche da tarde. As refeições são preparadas na cozinha da escola com cardápio pensado e definido especialmente por uma coordenação de merenda escolar integrada por nutricionistas. Frutas, verduras e hortaliças não faltam à mesa. Muitas destas cultivadas na horta da escola, especialmente na estação das chuvas, quando, além das crianças, servidores e até a própria diretora — a irmã Iradi Canan — se dedicam ao plantio. É essa proximidade entre escola, famílias e mantenedoras que motiva a busca e o estabelecimento de parcerias.

Retorno escalonado
“Perguntamos quem de fato precisava desse apoio. Alguns pediam a doação para repassar a pessoas que conheciam e que precisavam muito. Como alguns abriram mão da doação, ainda dividimos cestas com a Paróquia São Francisco, estas repassadas a famílias em ainda maior vulnerabilidade”, diz Irmã Iradi. Ela conta que elaboraram atividades pedagógicas adaptadas para o período de aulas remotas — impressas e entregues aos pais quinzenalmente. Em algumas ocasiões, as crianças foram presenteadas com livros. Também puderam acessar o acervo da biblioteca, levando regularmente para casa exemplares da Biblioteca Menino Maluquinho da escola em uma pasta, para garantir a conservação dos exemplares. 

“Desde o período mais crítico da pandemia tentamos de tudo: aulas remotas, envio de vídeos, atendimento por WhatsApp… mas, apesar de todo o esforço da escola e das famílias, o resultado na aprendizagem foi bem prejudicado. Muitos de nossos estudantes só tinham internet quando os pais estavam com o celular em casa. E nem todos dispunham de um pacote de dados a contento.” Mas, por outro lado, os pais se dedicaram a estar “presentes” nas reuniões mensais — feitas em salas virtuais — para palestras que tratavam de temas essenciais relacionados ao cuidado e à proteção. De saúde bucal, orientação para alimentação e hábitos saudáveis, oralidade e escrita, prevenção ao abuso sexual e a todo tipo de violência.

Respeito e cidadania
Desde julho de 2021, pouco a pouco os espaços da escola foram sendo retomados de forma escalonada, recebendo metade dos alunos a cada semana. Depois de sanadas as demandas mais urgentes, a direção da escola focou esforços em prepará-los para um novo tempo que se descortina. Mais uma vez acionaram o Comunidade, Presente! Em 2021 o Itaú Social se engajou em apoiar projetos que assegurem o direito à aprendizagem de crianças e adolescentes no contexto da pandemia. Com o novo recurso, de R$ 30 mil, a escola deu um salto tecnológico e comprou 27 tablets que já começam a ser utilizados. 

A coordenadora da escola e presidente do CDCE, Maria Jozélia Braga, destaca que esse será um update do laboratório de informática. “Essa aquisição é um divisor de águas. Nossos professores já passaram por treinamentos e foi feito um planejamento de ações para que possamos extrair todas as potencialidades do uso de tablets em sala de aula”, conta. “Vamos começar a utilizá-los na aplicação de avaliações da aprendizagem.” A possibilidade de personalizar atividades com o uso de aplicativos e de que eles tenham acesso a múltiplos aplicativos também é celebrada.

“Não descansamos. Estamos sempre buscando estratégias que estimulem o desenvolvimento integral”, reforça irmã Iradi. “Nosso objetivo é fazer com que desenvolvam suas habilidades, criatividade e valores. É uma ação essencialmente pautada pela educação, com foco na alfabetização e na formação de valores como o respeito e a cidadania.”