Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca

AGÊNCIA DE

Notícias

Institucional

Pesquisa busca identificar ações que  apoiem o ingresso de estudantes aos anos finais do ensino fundamental

Iniciativa estuda dificuldade de crianças durante a transição entre os anos iniciais para os anos finais do ensino fundamental


É comum que estudantes fiquem apreensivos com a mudança entre os anos escolares, especialmente na transição dos anos iniciais (do 1º ao 5º ano) para os anos finais (do 6º ao 9º ano) do ensino fundamental, quando inicia o sistema de ensino com diferentes professores e áreas do conhecimento, conhecido como pluridocência.

A Pesquisa: “Sexto Ano, Transições e Participação: diagnóstico e intervenção no Colégio Municipal Presidente Castelo Branco, Pojuca, Bahia”, identifica os desafios desta transição escolar e apresenta propostas para que o estudante possa completar a travessia e se adaptar aos anos finais do ensino fundamental com mais facilidade.

Confira o sumário executivo da pesquisa

Além das mudanças pedagógicas, a pesquisa também levou em consideração a mudança da faixa etária do aluno, passando de criança para adolescente e, com isso, apresentando novos desafios.

A pesquisa propôs o desenho de uma tecnologia de gestão educacional, batizada de “Modelo de Apoio à Transição” (MAT), que buscou contribuir com a transição dos estudantes do 5º ano ao 6º ano do Ensino Fundamental. A iniciativa apresenta oito estratégias que as escolas podem adotar em diversos momentos durante essa transição, confiram quais são elas:

  1. Escolha de profissionais qualificados para o 6º ano;
  2. Estratégias de enturmação (ações para estudantes se enturmar entre si);
  3. Preparar os estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental para o regime de pluridocência;
  4. Mapeamento da Rede Intersetorial de Assistência e Proteção à Criança e ao Adolescente;
  5. Interação entre escolas e profissionais dos anos iniciais e anos finais da educação fundamental;
  6. Acolher estudantes durante a transição escolar, principalmente na primeira semana de aula;
  7. Criar grupo de acompanhamento aos estudantes;
  8. Realizar acompanhamento dos docentes para lidar com sua saúde emocional.

A iniciativa foi coordenada pela pedagoga Lys Maria Vinhaes Dantas, contou com a supervisão de Sonia Teresinha Penin,  contou com a participação de professores e estudantes da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e da Universidade Federal do Ceará e recebeu o acompanhamento da supervisão e coordenação pedagógica da secretaria Municipal de Educação de Pojuca (BA). “Indiretamente, o Projeto Sexto Ano afetou toda a Rede Municipal de Educação, considerando sua consolidação como política pública municipal”, avalia a pesquisa.

O estudo foi um dos 14 contemplados pelo edital “Anos finais do ensino fundamental: adolescências, qualidade e equidade na escola pública”, do Itaú Social. A iniciativa recebeu apoio do técnico da Fundação Carlos Chagas.

Etapas
O projeto foi realizado entre junho de 2019 e novembro de 2021. Sua implementação seguiu seis fases: Exploração (formação de parceria); Diagnóstico (aproximação com a comunidade e produção de dados); Proposição do MAT (Modelo de Apoio à Transição); Implementação do MAT; Avaliação do piloto; e Divulgação.

Edital Anos Finais
O edital de pesquisa “Anos finais do ensino fundamental: adolescências, qualidade e equidade na escola pública” tem por objetivo fomentar, apoiar e disseminar pesquisas que apontem recomendações para a construção de soluções e superação dos desafios no período escolar do 6º ao 9º ano, promovendo a interação entre a academia e a realidade escolar. Ao todo, o edital investiu R$ 3,68 milhões no financiamento das iniciativas de pesquisa. 

Veja também o resultado das pesquisas: