Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca

AGÊNCIA DE

Notícias

Que tal você fazer também?

Pequenas grandes ações

Voluntária conta sobre a emoção de participar da distribuição de alimentos e de leite em comunidade de alta vulnerabilidade


Entrega de mantimentos básicos, durante a pandemia, impacta comunidade marginalizada em Campinas (SP). Foto: Arquivo pessoal

🎧⠀Ouça um trecho da entrevista.

Por Paula Salas, Rede Galápagos (SP)
Depoimento de Vanessa Rocha, gerente de atendimento no Itaú, em Campinas (SP)

Eu sempre digo que a gente cresce através da visão do outro; aprendemos ao fazer o bem para o próximo. O voluntariado começou de uma forma muito natural para mim, pois desde adolescente eu participava de ações sociais. Quando estava no banco havia dois anos, fui convidada por um gerente para participar do programa Mobiliza Itaú. Já faz seis anos que estou no comitê, e o maior desafio veio na pandemia.

Uma ação que marcou muito foi quando arrecadamos leite para três comunidades carentes — em parceria com um grupo de Campinas que se chama Somos da Rua. Quem também nos ajudou a organizar essa ação foi uma moradora da comunidade que trabalha na igreja e que passa para nós a lista do que estão precisando. 

Conseguimos em um curto prazo mais de 450 litros de leite. O pessoal se mobilizou muito, começaram a surgir também doações de dinheiro e de alimentos. Foram entregues 200 cestas básicas bem recheadas e dois litros de leite por família. 

A gente chegou lá e as famílias estavam felizes por receber algo além do costumeiro. Mexeu com todo mundo do comitê. Foi emocionante. É difícil traduzir em palavras o que a gente sentiu naquele dia. Dá o desejo de fazer muito mais, porque se trata de algo tão simples mas que muda a vida das pessoas beneficiadas. 

Vivemos em uma cidade grande, com tantos acessos e oportunidades… e, no entanto, você chega a lugares tão carentes que é até difícil acreditar que estamos no mesmo município. É muita desigualdade. Estávamos em um lugar sem acesso a água potável, com casas de madeira, sem energia elétrica, ruas de terra.

Vanessa Rocha, 31 anos, participa de ações sociais desde sua adolescência. Há seis anos, participa do comitê de voluntários do Itaú. Foto: Arquivo pessoal

Era o antigo lixão da cidade. Os moradores contam que, por ser um solo contaminado, a prefeitura não pode regularizar, mandar energia para aquelas casas, porque eles nem poderiam estar ali. Não sabíamos nem que existia esse bairro em Campinas, ele nem sequer consta no Google. É como se fossem pessoas invisíveis…

Voluntários do Itaú Social mantêm ações de arrecadação de kits de higiene, roupas e alimentos durante a pandemia. Neste registro, Vanessa Rocha, Rozeli Machado e seu colega Rafael Migliagi. Foto: Arquivo pessoal

O trabalho continua. Sempre estamos em contato com eles. Recentemente, disseram que estão com dificuldade de conseguir arroz e feijão. Então, damos esse suporte para conseguir fazer esse trabalho. Além de mantermos as ações de arrecadação, agora estamos com um planejamento com mais ações voltadas para a educação. No final do ano, quando as escolas liberaram, fizemos uma ação de leitura em uma creche e levamos doações de livros para estimular a leitura.


🎧 Ouça um trecho da entrevista com Vanessa falando sobre sua experiência


Saiba mais

Leia mais

Assine nossa newsletter

Com ela você fica por dentro de oportunidades como cursos, eventos e conhece histórias inspiradoras sobre profissionais da educação, famílias e organizações da sociedade civil.