Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional
Notícias Que tal você fazer também?

“Mergulhem no portal e se inscrevam!”

Premiada na 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, em 2019, professora conta sua experiência e fala sobre as novidades da olimpíada deste ano


A professora Silvania Paulina Gomes Teixeira, de Santa Bárbara do Leste (MG), nesta foto com o aluno Aytan Belmiro Melo, na premiação, em 2019: “Só enxerga o futuro quem se propõe a enfrentar desafios”. Foto: Itaú Social

Por Maria Ligia Pagenotto, Rede Galápagos, São Paulo

Depoimento de Silvania Paulina Gomes Teixeira, professora de Língua Portuguesa da E. E. Monsenhor Rocha, em Santa Bárbara do Leste (MG), participante da Olimpíada de Língua Portuguesa, vencedora da 6ª. edição – Relato de Prática da categoria crônica

A participação na Olimpíada de Língua Portuguesa em 2019 trouxe para mim aquilo com que todo professor sonha, que é a realização. Falo de uma realização que vai muito além de ver premiados o texto de um aluno ou o meu relato de prática. Falo do sentimento de realização ao concretizar meu trabalho num dos maiores desafios para os professores de língua portuguesa: acompanhar nossos alunos produzindo textos, com autonomia e qualidade, correspondendo positivamente ao trabalho que realizamos no dia a dia da sala de aula.

Esse sentimento de realização foi o que a Olimpíada de Língua Portuguesa me trouxe ao longo do desenvolvimento do programa, que é muito mais do que um concurso de produção de textos. Nas últimas edições das quais participei, descobri no programa da olimpíada algo de que nós, professores, temos muita carência: ferramentas que nos ajudam a superar as inúmeras dificuldades da sala de aula, sobretudo de salas de aula de escolas públicas, muitas vezes sem condições de promover um trabalho de qualidade como planejamos e como nossos alunos tanto merecem. Ferramentas que nos auxiliem na transformação de nossos anseios em realidade.

Trabalhando com diversas turmas do 6º ao 9º ano, desenvolvendo as oficinas e gêneros, pude ver que o percurso trilhado no desenvolvimento das oficinas é, primeiramente, viável, pois pode ser feito em qualquer escola, independentemente das condições físicas. Sei bem o que falo, pois trabalhei com turmas até em garagens. 

Em segundo lugar, vi que tem ótima aceitação entre os estudantes. Na 5ª e 6ª. edições, lecionei em turmas do ensino fundamental e médio, em salas muito heterogêneas, adequando as oficinas aos diferentes ritmos e singularidades dos alunos. Em todas pude perceber, de forma visível e real, a adesão, a evolução e a qualidade final dos textos. E, por último, constatei que o percurso atinge seus objetivos, pois os alunos aperfeiçoam sua capacidade de escrita. Além disso, desenvolvem a leitura, compreendem o conceito de gênero e ampliam seu olhar para o mundo.

Nas últimas três edições, meus alunos foram premiados com bronze, prata e ouro. As medalhas enchem de orgulho a E.E. Monsenhor Rocha. Aprendemos que, para se chegar a um texto selecionado, nos deparamos e nos encantamos com muitos outros com qualidade, mostrando a evolução de cada aluno autor. E sempre nos lembramos de que a peça fundamental é o professor. Sem ele, nada acontece. 

Apesar do número recorde de inscrições nas últimas edições, ainda há muitos professores que precisam conhecer e se encantar pelas possibilidades oferecidas pelo portal Escrevendo o Futuro. No cenário atual, em que a maioria das escolas do país começa o ensino de forma híbrida ou totalmente remota, o trabalho com a produção de texto mostra-se mais uma vez um desafio para os educadores. 

Sabemos que a distância muitas vezes impede o contato com a totalidade dos estudantes. E, se trabalhar com o ensino de forma geral neste cenário é penoso, imaginem, então, com o ensino da produção de texto? Entra aqui, novamente, a relevância do programa formador da Olimpíada de Língua Portuguesa. Ele garante aos professores, por meio dos cadernos virtuais de cada gênero, um percurso de trabalho que pode ser desenvolvido com as turmas – mesmo sem ter em mãos todos os recursos que a tecnologia oferece. Diversas atividades das oficinas podem ser impressas ou adaptadas pelos professores para que cheguem aos alunos.

Este ano ainda há a novidade no formato de premiação da olimpíada, que reconhecerá o trabalho do educador com toda a sua turma sem ter que passar pela situação, muitas vezes difícil, de  apontar os melhores textos. Sabemos que o professor que desenvolve o percurso com uma turma inteira consegue perceber o avanço e as conquistas de cada aluno e vê, em muitos, vencedores, pois considera sua evolução do ponto inicial até a produção do texto final. 

Todo o caminho que o professor irá trilhar com sua turma nesta 7ª edição permeia as linhas do seu relato de prática. E, nesse relato, residem  os desafios, os receios, as estratégias e as conquistas de professores e alunos. É isso que será apresentado ao Brasil, por meio da Olimpíada de Língua Portuguesa: o professor campeão com sua turma campeã. O formato totalmente virtual desta edição vem ao encontro dos anseios daqueles que estavam aguardando o início da 7ª edição, pois precisamos de ferramentas para trabalhar a leitura e a escrita, diante de uma realidade ainda tão cheia de incertezas.

Por isso, repito: professores e professoras de língua portuguesa, mergulhem no portal da olimpíada, conheçam e se inscrevam no programa para participar desta 7ª edição. É muito mais que uma oportunidade, é uma necessidade. Deem essa chance a vocês mesmos, a suas turmas de alunos, para que conheçam autores brilhantes, para que naveguem e descubram gêneros capazes de encantar, comover e convencer. Vamos enfrentar os desafios do presente para escrever o futuro com que tanto sonhamos.

Saiba mais

Leia mais