Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Seminário Jovens Urbanos debate juventude e economia criativa

A Fundação Itaú Social e o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec) realizaram na última quarta-feira (29/2) o Seminário Jovens Urbanos na Faculdade de Direito do Sul de Minas da (FDSM) em Pouso Alegre (MG).

A iniciativa, que tem como objetivo ampliar o repertório cultural dos participantes e contribuir para inserção no mercado de trabalho, faz parte das ações de formação do programa Jovens Urbanos. A edição em Pouso Alegre é fruto de uma parceria entre a Fundação Itaú Social e o governo estadual de Minas Gerais, por meio do Poupança Jovem. Em 2011, foram atendidos mais de 500 alunos da rede estadual de ensino da cidade.

O evento gratuito contou com a presença do doutor em ciências econômicas Ladislau Dowbor, que falou sobre juventude, empreendedorismo e economia criativa, um modelo de gestão que visa o desenvolvimento socioeconômico a partir do conhecimento. Também participaram do seminário a diretora da Fundação Itaú Social, Valéria Riccomini, a superintendente do Cenpec Anna Helena Altenfelder, Cristiano Andrade da coordenação do Programa Poupança Jovem e o professor da FDSM Elias Kallás Filho, responsável pela mediação do debate.

Segundo Dowbor a economia criativa, diferentemente do modelo econômico tradicional que é voltado para aquisição de bens materiais, foca essencialmente no potencial individual, na imaginação e na capacidade intelectual para geração de renda.

Dowbor destacou a importância de criar mecanismos para colocar o tema em pauta, impulsionando o empreendedorismo ainda na juventude e, consequentemente, o desenvolvimento socioeconômico dos países.

Na opinião dele, o primeiro passo para tornar a discussão mais ampla passa por uma reformulação na metodologia das escolas. “Com a chegada da internet e da possibilidade de ter conhecimento gratuito, a escola não é mais a fonte do saber. O professor deixa de ser responsável por apenas repassar o conhecimento. Agora, ele também deve organizá-lo, instigando o jovem a pesquisar para encontrar as respostas para as suas inquietações. O trabalho é conjunto”, afirma o especialista que acredita que este é um dos principais desafios no campo da Educação.

Conforme um relatório sobre Economia Criativa publicado em 2010 pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad), a China é o país que mais produz economia criativa seguida pelos Estados Unidos e pela Alemanha. O Brasil ainda não está entre os 20 maiores produtores do setor.