Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Programa Itaú Social UNICEF proporciona formação e fomento financeiro para organizações da sociedade civil

Iniciativa nasce a partir das experiências e conquistas do Prêmio Itaú-UNICEF, realizado por 25 anos. Inscrições ficam abertas entre os dias 20 de julho e 21 de agosto

Aprimorar o olhar estratégico das organizações da sociedade civil (OSCs) sobre sua missão, ações e práticas é um dos objetivos do Programa Itaú Social UNICEF, que será lançado nesta segunda-feira, 20 de julho, às 11 horas. A iniciativa nasce a partir das experiências e conquistas do Prêmio Itaú-UNICEF, que há 25 anos reconhece projetos de educação integral no país.

A transformação do Prêmio em Programa veio para ampliar o fortalecimento de organizações da sociedade civil (OSCs) que participarão de um percurso formativo, além do fomento financeiro. As inscrições ocorrem entre os dias 20 de julho a 21 de agosto e o investimento total previsto para esta edição é de R$ 4 milhões.

Acesse mais informações e inscreva-se no site do Programa

“Nosso objetivo é incentivar as organizações da sociedade civil a ampliarem seu protagonismo e compromisso com seus territórios de atuação. No contexto da pandemia da Covid-19, ficou ainda mais visível o papel fundamental dessas instituições para a garantia dos direitos de crianças e adolescentes. Por isso, é preciso assegurar a sua sustentabilidade a longo prazo”, explica a superintendente do Itaú Social, Angela Dannemann.

As instituições inscritas participarão de percurso formativo, que culminará na elaboração de um plano de intervenção. Entre as organizações que concluírem todas as etapas, 40 serão selecionadas para receber até R$ 100 mil cada uma, para a implementação do plano.

A seleção terá como um dos principais critérios a vulnerabilidade socioeconômica e educacional dos municípios em que as OSCs atuam. Além disso, 80% das vagas serão oferecidas prioritariamente às regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste, em que tradicionalmente há menor incidência de apoios.

 

Quem pode se inscrever

Iniciativa do Itaú Social e UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), com coordenação técnica do CENPEC Educação (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária), o Programa é aberto para OSCs com pelo menos um ano de atuação no país e que trabalhem na perspectiva da educação integral e inclusiva, com ações diretas para e com crianças e adolescentes.

As escolas, que antes concorriam ao prêmio, não podem mais se inscrever diretamente, mas podem ser parceiras territoriais das organizações, para integrar o processo de elaboração e acompanhamento do plano de intervenção.

Outra mudança importante do processo é que as OSCs não precisam mais submeter um projeto para a inscrição no Programa. Mas é determinante que estejam preparadas para participar do percurso formativo a distância com duração de três meses.

 

“A iniciativa permite que organizações de todo o país, de diferentes portes e regiões, tenham acesso a um percurso formativo que promoverá o diálogo entre diferentes profissionais da organização, o público atendido, suas famílias e outros atores do território, contribuindo, assim, para seu fortalecimento institucional e para potencializar ações coletivas”, afirma Anna Helena Altenfelder, diretora Executiva do CENPEC Educação. O percurso contará  ainda com conteúdos que visam promover a reflexão a respeito da promoção da igualdade de direitos.

 

Educação integral

As organizações da sociedade civil têm um papel fundamental na oferta de atividades de educação integral, conceito que compreende o desenvolvimento pleno do indivíduo, em suas múltiplas dimensões (intelectual, afetiva, ética, social e física).

Por meio das OSCs, é possível aumentar o período em que crianças e adolescentes estão em contato com a aprendizagem e proporcionar a elas contato com outras dimensões do conhecimento, para além dos muros da escola.

“A educação integral só acontece com o envolvimento do território, que precisa ser fortalecido. Esse é um dos nossos principais objetivos ao priorizar territórios com maiores vulnerabilidades no país, que passam agora a contar com o apoio do Programa para ofertarem uma educação integral, inclusiva e de qualidade para cada menina e menino, em especial os mais excluídos”, afirma o chefe de Educação do UNICEF no Brasil, Ítalo Dutra.