Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional
Notícias Institucional

Premiação reconhece boas práticas de professores da Educação Infantil durante a pandemia

Foram premiadas 100 iniciativas inspiradoras neste período de ensino remoto


Cem histórias espalhadas Brasil afora foram selecionadas pelo Prêmio Educação Infantil: Boas Práticas de Professores Durante a Pandemia. Iniciativa da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Itaú Social e Undime (União dos Dirigentes Municipais de Educação), visa reconhecer e valorizar boas práticas de professores da educação infantil.

Drielly Santos, do município de Ariquemes (RO), é dona de uma das histórias premiadas. A rondoniense utilizou o conto dos três porquinhos, adaptado ao contexto de Covid-19, para explicar para as crianças a pandemia: no conto, o lobo mau era o coronavírus e ele não conseguia derrubar a casa dos porquinhos.

“Mandei a história para as crianças e pedi que elas gravassem vídeos mostrando suas casas e vivências. A partir disso, puderam ter uma convivência virtual e perceber que a realidade de cada um é diferente da do outro”, explica Santos.

A premiação ocorreu no dia 31 de março em evento on-line e cada vencedor recebeu R$ 1 mil como prêmio. Os vencedores também ganharão, além do valor monetário, um curso de 40 horas on-line sobre a BNCC e a Educação Infantil. O curso será promovido pelo Instituto Singularidades, parceiro técnico da iniciativa, e pela ponteAponte.

No total, foram inscritas mais de 700 práticas de todo o Brasil. O estado de São Paulo teve o maior número de vencedores, 34, seguido por Santa Catarina (13), Rio Grande do Sul (12) e Minas Gerais (11). Rio de Janeiro (06), Paraná (5), Amazonas (04), Ceará (03), Pernambuco (03), Paraíba (02), Goiás (02), Piauí (01), Distrito Federal (01), Rio Grande do Norte (01), Tocantins (01) e Rondônia (01) completam a lista.

A motivação do prêmio é o fechamento, desde 2020, das unidades escolares, medida que desafiou pais/cuidadores e professores a se reorganizarem e assumirem o desafio de coordenar a aprendizagem das crianças de uma maneira até então impensada: à distância.

“Nosso objetivo foi trazer luz a iniciativas inspiradoras e que fizeram a diferença para as crianças e as famílias nessa pandemia. É importante que a sociedade saiba o significado e a relevância da Educação Infantil por meio das histórias e práticas dos professores, crianças e famílias”, justifica a CEO Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Mariana Luz.