Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca

AGÊNCIA DE

Notícias

Institucional

Pesquisa apresenta 11 recomendações para qualificar o ensino infantil

Estudo da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal avalia a qualidade da Educação Infantil ofertada para crianças em creches e pré-escolas


A FMCSV (Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal) divulgou a pesquisa “Avaliação da Qualidade da Educação Infantil”, que mostra dados sobre o atendimento escolar de crianças na primeira infância, com idade de zero a seis anos, além de recomendações sobre como melhorar a qualidade de creches e pré-escolas.

O estudo foi elaborado em parceria com o LEPES (Laboratório de Estudos e Pesquisas em Economia Social) da Universidade de São Paulo, com apoio do Itaú Social e do Movimento Bem Maior. O resultado está disponível gratuitamente na biblioteca do Itaú Social e no site da FMCSV.

A pesquisa buscou verificar se as unidades de Educação Infantil estão de fato cumprindo seu papel como espaços de educação e cuidado, tendo como eixo curricular as interações e as brincadeiras. De acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), é preciso garantir seis direitos de aprendizagem e desenvolvimento: Conviver, Brincar, Participar, Explorar, Expressar e Conhecer-se. 

Confira artigo da superintendente do Itaú Social sobre educação infantil

Após avaliação com as turmas escolares participantes do estudo, os pesquisadores apresentaram 11 recomendações que as redes municipais de ensino podem adotar para melhorar a oferta de uma educação infantil para crianças na primeira infância. Confira as propostas no site da FMCSV.

A pesquisa analisou 3.467 turmas de creches e pré-escolas em 12 municípios brasileiros, contemplando 1.807 unidades de ensino de todas as regiões do país.

Conheça o percurso formativo Educação Infantil

Educação infantil mediana
De acordo com a avaliação dos participantes da pesquisa, a qualidade do atendimento feito às crianças nas unidades educacionais infantil é regular. De acordo com a escala da EAPI (Escala de Avaliação de Ambientes de Aprendizagens dedicados à Primeira Infância), criada a partir de uma adaptação do instrumento MELE (Measuring Early Learning Environments)), esse resultado mostra que os alunos têm acesso ao mínimo que é ofertado pelas redes de ensino, como infraestrutura e materiais pedagógicos, mas que não promove experiências transformadoras na vida do estudante.

O MELE é parte de uma iniciativa da Unesco, Unicef, Banco Mundial e Brookings Institution, que propõe um sistema abrangente de medidas de qualidade para a Educação Infantil, chamado MELQO (Measuring Early Learning Quality and Outcomes). 

Desigualdade
Em todos os municípios participantes da pesquisa, há turmas que registram pontuações inadequadas ou inaceitáveis (0,213 em uma escala de zero a três) dentro da dimensão de currículo, interações e práticas pedagógicas, enquanto que no mesmo município são encontradas turmas que beiram a nota de excelência (2.824). 

Relações raciais
A pesquisa avaliou a oferta de oportunidades de aprendizagem que abordam questões relacionadas à educação étnico-racial nas escolas participantes, levando em conta os critérios do EAPI. O resultado mostrou que nove em cada dez turmas (89,8%) não abordam essa temática em sala de aula

Assine nossa newsletter

Com ela você fica por dentro de oportunidades como cursos, eventos e conhece histórias inspiradoras sobre profissionais da educação, famílias e organizações da sociedade civil.