Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

O que a juventude anda produzindo

… De repente, me regenerei.

Conheci os Jovens Urbanos, eu me transformei.

Me transformei pra melhor, com certeza.

Criei coragem, hoje faço a diferença.

A resposta pra nós está na união.

Somos a potência e o futuro da nação.

A letra do rap escrita acima é de autoria de um dos grupos de jovens da organização não-governamental Plugados na Educação, que fica na Zona Leste de São Paulo. A instituição, junto com outras três da mesma região, participa, desde setembro do ano passado, da quarta edição do Programa Jovens Urbanos.

A iniciativa do programa é da Fundação Itaú Social e conta com a coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), além de parceria com ONGs locais e órgãos do poder público. Integram a ação oito organizações não-governamentais (ONGs) dos bairros paulistanos Lajeado e Grajaú que atuam diretamente com 480 jovens participantes do programa.

Na última semana, os envolvidos apresentaram suas produções feitas durante o período de explorações pela cidade. Na terça (17), foi a vez dos 240 jovens de Grajaú. Eles se reuniram no CEU Navegantes para mostrar as 15 produções, entre vídeos, peças de teatro e músicas, muitas marcadas pelo tema sexualidade.

Na quarta (18), os 240 de Lajeado exibiram suas 11 produções no CEU que leva o mesmo nome do bairro. Lá, as apresentações se inspiraram nas questões territoriais. “Nossa intenção foi mostrar o quanto a gente vem amadurecendo com o programa”, explicou um dos jovens da Associação dos Voluntários Integrados do Brasil (AVIB), localizada no Jardim Guaianases, logo após apresentar a peça A Convivência. O programa prevê mais um encontro como esse, que deverá acontecer em junho deste ano.