Ir para o conteúdo Ir para o menu
Polo de desenvolvimento educacional

MEC e Fundação lançam 3ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa

Foi lançada ontem (19/3), em São Paulo, a terceira edição da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro. O programa, que é uma iniciativa do Ministério da Educação e da Fundação Itaú Social, com a coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), busca aprimorar a prática didática de professores de Língua Portuguesa da rede pública em todo o Brasil. O objetivo é estimular a leitura e ampliar as competências de escrita entre alunos de diferentes níveis de escolaridade.

As inscrições, que são feitas gratuitamente pelo portal da Olimpíada (www.escrevendoofuturo.org.br), estão abertas até 25 de maio. Podem participar professores e alunos da rede pública do 5º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio.

Na cerimônia de lançamento, estiveram presentes o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o vice-presidente da Fundação Itaú Social, Antonio Matias, a superintendente do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), Anna Helena Altenfelder, a presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Maria Nilene Badeca da Costa, a presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais (Undime), Cleuza Repulho e o secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, Hugo Barreto.

Na ocasião, Matias reafirmou o compromisso da Fundação Itaú Social em contribuir para a formação dos docentes da rede pública e, consequentemente, para a qualidade da educação. “O domínio pleno da língua é condição fundamental para o processo de aprendizagem. Daí, a importância da Olimpíada, que é um programa de formação em serviço de professores. Esse é justamente o diferencial. Ou seja, o concurso de textos é uma estratégia de mobilização de toda a comunidade escolar, mas não representa a totalidade do programa ”, disse.

Para o ministro, a Olimpíada alia dois aspectos interessantes ao mobilizar crianças, adolescentes e jovens a partir da produção de textos e ao oferecer formação continuada aos professores. “O tema O lugar onde vivo é também muito interessante, pois dá a oportunidade aos estudantes de refletirem a partir de suas realidades e das condições em que vivem. Além disso, os professores também têm mais condições de compreender que são os seus alunos e isso é muito importante para a aprendizagem”, observou.

A superintendente do Cenpec, Anna Helena, disse que um dos desafios da Olimpíada é a abrangência geográfica do programa. “Para que possamos atender professores de contextos tão diversos, nós apostamos em estratégias de formação diversificadas. Os professores recebem materiais de apoio para a execução das oficinas em sala de aula, mas também participam de formações presenciais e a distância, neste caso, por meio da Comunidade Virtual. Além disso, as parcerias com o Consed e a Undime são fundamentais para garantir a articulação e a participação dos professores de todo o país”.