Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Lideranças do Itaú participam de encontro de Mobilização Social

A Fundação Itaú Social, em parceria com o Instituto Unibanco, realizou nesta segunda-feira (13), um encontro de Mobilização Social voltado para lideranças do banco. O evento, mediado pelo jornalista Caco Barcellos, apresentou as oportunidades de atuação voluntária estruturadas pela Fundação Itaú Social e pelo Instituto Unibanco e disponibilizadas para familiares e colaboradores do Itaú. O evento contou com a presença de Cláudia Politansky, Vice-Presidente das áreas Jurídico, Ouvidoria, Pessoas, Relações Governamentais e Comunicação Corporativa do Itaú Unibanco; Ricardo Henriques, Superintendente do Instituto Unibanco; e Cláudia Sintoni, Coordenadora de Mobilização Social da Fundação Itaú Social.

No início do encontro, Barcellos apresentou ao público dados de uma pesquisa da Fundação Itaú Social, executada pelo Instituto Datafolha, sobre a participação em ações de voluntariado no Brasil. Segundo o estudo, 28% dos brasileiros já realizaram alguma ação voluntária e 11% continuam atuando nesse tipo de iniciativa. “Estamos aqui hoje para conversar sobre oportunidades que o Itaú, uma das empresas que mais investe em ações sociais, disponibiliza para seus colaboradores”, disse. O jornalista também ressaltou a Rede de Ações Sociais Itaú, iniciativa que conecta voluntários, organizações sociais, projetos e comunidades e que já conta com 11 mil pessoas cadastradas.

Segundo Cláudia Politansky, o voluntariado está diretamente ligado à transformação social que o Itaú busca promover. Não obstante, o engajamento nessas ações apresenta resultados positivos na vida profissional: “A experiência de trabalhar em iniciativas muito diferentes das realizadas no dia-a-dia do banco impulsionam criatividade, o trabalho em equipe, o comprometimento e o desenvolvimento pessoal”, explicou.

Para Ricardo Henriques, o voluntariado é uma experiência de mão dupla. O Superintendente afirmou que, dos 17 milhões de jovens brasileiros entre 15 e 19 anos, cinco milhões estão fora das escolas e ressaltou a importância da ação voluntária. Já tendo participado do Programa Estudar Vale a Pena, enalteceu a experiência: “É uma possibilidade de constituir referências sobre trajetórias de vida de jovens, criando vínculos que garantem valores, como o de estudar, sejam percebidosa, tencionados e elaborados”.

Em sua fala, Claudia Sintoni apresentou aos líderes do banco os programas de Mobilização Social da Fundação Itaú Social e enfatizou o papel dos voluntários no sucesso das ações. “Para ter resultados efetivos, os programas precisam do engajamento dos colaboradores e, para isso, o papel dos líderes é fundamental. Por meio desses projetos, temos a oportunidade de participar e de vivenciar ações que, ainda que sejam pontuais, fazem parte de um movimento maior de transformação de realidades”, discorre.

Mais informações sobre os programas de voluntariado organizados pelo Itaú com seus colaboradores podem ser consultadas na Rede de Ações Sociais Itaú: www.ivoluntarios.org.br.