Ir para o conteúdo Ir para o menu
Polo de desenvolvimento educacional

Jovens Urbanos marca presença na Cúpula dos Povos

Os integrantes da 7ª edição do programa Jovens Urbanos, da Fundação Itaú Social, participaram nesta terça-feira, dia 19 de junho, do encontro Diálogos Intergeracionais sobre Sustentabilidade, realizado na Cúpula dos Povos, evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

Ao todo 64 jovens do programa participaram do evento cujo objetivo era promover diálogos entre as mais diversas gerações e personalidades do movimento social e ambiental, com a intenção de avaliar os 20 anos que se passaram desde a Rio 92 e motivar as novas gerações a atuarem em prol do desenvolvimento sustentável.

Entre os convidados estava a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, que comentou os avanços e retrocessos desde a realização da ECO-92, realizada há 20 anos, como a aprovação do novo Código Ambiental. “Se por um lado as pessoas e, principalmente, os jovens estão mais comprometidos com o meio ambiente, por outro, vemos que os governos preferem se omitir e até mesmo revogar o que foi conquistado até agora”, criticou. Segundo Marina, para evitar que a conferência termine com objetivos genéricos e sem propostas sérias sobre governança, “a sociedade deve pressionar os governos a tomarem uma posição”.

O integrante do programa Jovens Urbanos, Juan Lucas Rocha, que acompanhou as discussões, também acredita que o ponto chave para avançar na luta pelo desenvolvimento socioambiental está no comprometimento dos governantes com a causa. “Temos consciência de que é preciso desenvolver de forma sustentável, mas ainda não conseguimos colocar em prática ações básicas, como a reciclagem porque não existem pontos adequados para fazer o descarte do material. Para podermos avançar, as autoridades também precisam fazer a sua parte”, disse.

Na opinião de outra integrante do programa, Natália Rodrigues dos Santos, outro fator que favorece esta situação é o desconhecimento da população. “É preciso incentivar a educação ambiental nas escolas para que as crianças se tornem no futuro adultos mais engajados e exerçam o seu papel como cidadão”.

Representando os jovens brasileiros na plenária, estiveram presente a delegada da conferência infanto-juvenil de meio ambiente na Rio +20, Regina Chaves,  17 anos, e Damaris Paes, 19 anos, que atua na Rede da Juventude pelo Meio Ambiente (Rejuma) em Manaus (AM) e na ONG Coletivo Jovem.

Damaris, que auxiliou o movimento que trouxe jovens do Amazonas para participar da Rio+20, destacou a importância de adultos e governos atuarem em conjunto. “Desde que começamos a preparar a Rio+20 muitos dizem que nós temos o poder e a responsabilidade de mudar o mundo. Mas é preciso deixar claro que esta responsabilidade não é só nossa. Temos um grande poder de mobilização, mas precisamos agir coletivamente para colocar em prática as iniciativas a favor do meio ambiente e da vida”.

Para apresentar as ações de protagonismo juvenil realizadas no mundo, participaram do diálogo o criador da organização 350.org e autor de publicações sobre juventude, Jammie Heen, 28 anos, e o representante da Rede Francesa de Estudantes para o Desenvolvimento Sustentável, Ivan Pauscaud, 24, que destacou a importância de um jovem “ensinar o outro para que as próximas gerações tomem consciência da importância da sua participação na luta pela preservação ambiental”.

Para a integrante dos Jovens Urbanos, Larissa de Oliveira Feitosa a participação de jovens de diferentes regiões do país e de outras nações é um reflexo de que a sociedade está mais aberta a ouvir o jovem. “Mesmo com muitas limitações os jovens têm feito a diferença nas suas comunidades. Para este trabalho ganhar força os adultos também precisam apoiar esses jovens”, disse.

Também participaram do encontro o coordenador da Rede Nossa São Paulo, Oded Grajew, a ex-senadora Heloisa Helena, a ambientalista e física indiana Vandana Shiva, a diretora executiva do Instituto Indígena para Propriedade Intelectual, Fernanda Kaingang, o representante da rede Povos da Floresta, Ailton Krenak, e o coordenador da campanha de mobilização em prol da sustentabilidade Rio+você, Lucas Campodonico.