Ir para o conteúdo Ir para o menu
Polo de desenvolvimento educacional

Guia Políticas de Educação Integral auxilia estados e municípios na construção de Plano de Educação Integral

Muitos municípios têm interesse em desenvolver políticas de Educação Integral, mas precisam de orientação sobre qual caminho seguir. O Programa Assessoria a Políticas de Educação Integral, realizado pela Fundação Itaú Social com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), conta com uma importante ferramenta no apoio aos municípios: o Guia Políticas de Educação Integral subsidia gestores municipais e estaduais na construção e implementação das políticas.

O Guia aborda as áreas de atuação e as práticas da política pública consideradas fundamentais para a implantação bem-sucedida da Educação Integral, além de oferecer dicas e exemplos exitosos da prática educacional no Brasil. Por meio de debates virtuais, promove a abordagem de temas como espaços de aprendizagem na Educação Integral, avaliação e monitoramento. Os conteúdos podem ser acessados por educadores, gestores sociais e pesquisadores que se interessam pela política.

A partir deste ano, o Guia disponibiliza a Ferramenta de Elaboração do Plano de Educação Integral, que oferece um passo a passo para a construção de um documento sistematizado com as estratégias e metas previstas. Na Ferramenta são apresentadas indicações de leitura e outros materiais complementares que devem embasar as definições feitas pelos gestores públicos na constituição dos planos. A cidade de Resende, no Rio de Janeiro, foi o primeiro município a concluir o Plano com o auxílio da ferramenta. Diferentemente do Guia, a Ferramenta online tem acesso restrito aos gestores responsáveis pela construção do Plano (http://guia.educacaoeparticipacao.org.br/cadastro) e é necessário fazer um cadastro para consultá-la.

Até setembro serão realizadas também assessorias presenciais para utilização do Guia em dois polos: Itabira (MG) e Aracati (CE). Ao todo, 28 municípios dessas regiões poderão debater questões como aplicação de jornada ampliada em suas redes, mapeamento do trabalho que já está sendo realizado, identificação das necessidades estruturais no ambiente das escolas, entre outros pontos.