Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Etapa regional Goiânia

A Fundação Itaú Social e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) anunciaram ontem (1/10), em Goiânia (GO), os quatro projetos vencedores da regional que congrega os estados brasileiros do Centro-Oeste. Cada organização receberá como prêmio R$ 25 mil e participará da etapa nacional do programa. A premiação nacional será realizada no dia 28 de novembro em São Paulo.

A Regional Goiânia recebeu a inscrição de 206 projetos socioeducativos desenvolvidos por organizações sem fins lucrativos. Foram selecionados dois projetos de Goiânia, um de Brasília e um do Mato Grosso do Sul.

Este é o primeiro de oito eventos regionais programados para outubro, nos quais serão anunciados até 32 projetos finalistas entre os 2.713 inscritos em todo o País. Na última serão selecionados cinco projetos: quatro vencedores nacionais, que receberão, além da premiação regional, mais R$ 100 mil cada, e o grande vencedor, que receberá mais R$ 225 mil.

Criado em 1995, com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), o Prêmio é pioneiro ao estimular experiências de educação integral no Brasil. O objetivo da iniciativa é reconhecer e estimular o trabalho de organizações sem fins lucrativos que contribuam, em articulação com políticas públicas de educação e assistência social, e em parceria com escolas públicas, para ampliar a aprendizagem de crianças, adolescentes e jovens.

Educação integral: Crer e fazer é o tema desta edição, que estimula, além da reflexão, a prática de ações socioeducativas inovadoras, na busca por maior qualidade e equidade das oportunidades educacionais oferecidas em diferentes comunidades.

 

Conheça os projetos finalistas do pólo regional Goiânia:

Projeto Instituto e Moinho Cultural Sul-Americano

Promover a inclusão e interação social de crianças e adolescentes da fronteira entre Brasil e Bolívia, cuja situação de vulnerabilidade social e econômica é fator comum na região, é um dos principais objetivos do projeto, vencedor na categoria grande porte da Regional Goiânia. Para alcançar os objetivos, o instituto utiliza a arte como instrumento de linguagem comum, além do acesso a bens culturais. Oficinas de dança, música e tecnologia audiovisual, em uma concepção de intérpretes-criadores, são oferecidas a 360 crianças, adolescentes e jovens, de 6 a 18 anos, dos municípios de Corumbá, Ladário e Dourados, no Mato Grosso do Sul. O projeto possui o mesmo nome que a organização responsável, Instituto Moinho Cultural Sul-Americano, que realiza ações para promover a democratização cultural e desenvolvimento humano e social da região do Pantanal. “Esta premiação traz esperança a todas as crianças e adolescentes de Corumbá que sofrem com a violência e a drogadição. Com este selo teremos mais visibilidade, ajudando a propiciar a transformação social”, falou Mônica Barbosa Macedo, do instituto.

Escola de Circo Laheto – projeto Arte, Circo e Cidadania

Oficinas de circo, teatro, leitura, produção de texto, jogos e brincadeiras sobre a cultura popular brasileira e sobre matemática, percussão, informática, produção de vídeo e fotografia. Essas são as atividades oferecidas a 136 crianças, adolescentes e jovens de 7 a 18 anos pelo Projeto Arte, Circo e Cidadania, vencedor em médio porte da Regional Goiânia. Ao oferecer essas oficinas, o projeto busca promover uma aprendizagem que contribua na formação de cidadãos conscientes e críticos, possibilitando a inserção sociocultural, econômica e territorial de crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade. Fundada em 1995, a Escola de Circo Laheto, organização responsável pelo projeto, atua em Goiânia (GO), na oferta de ações que contribuem para uma educação integral a crianças, adolescentes e jovens da comunidade. “Participamos do Prêmio desde 2005, e o reconhecimento do programa nos fez crescer em todos os sentidos. Hoje podemos dizer temos um projeto concreto em educação integral”, explicou Seluta Rodrigues de Carvalho, representante da organização.

Instituto Batucar – projeto Batucadeiros

Cerca de 90 crianças, adolescentes e jovens de 6 a 18 anos participam atualmente do Projeto Batucadeiros, vencedor em na categoria pequeno-porte da regional. Com mais de 10 anos de existência, o Batucadeiros busca, por meio da formação musical, promover a educação para a cidadania, com base na educação, cultura e proteção social. O projeto oferece diversas oficinas de instrumentos musicais e percussão, como de violão, flauta, violino e violoncelo. Há também parcerias com escolas e a universidade da região, além da realização de saraus, com a participação da comunidade. O Instituto Batucar, responsável pelo projeto, atua nas áreas periféricas de Brasília, tendo como um dos seus objetivos a realização de ações em parceria com empresas, ONGs e o Poder Público para a promoção da responsabilidade social em territórios com altos índices de vulnerabilidade social. “Este reconhecimento nos faz acreditar que vale a pena continuar trabalhando pela ONG e a cada dia vencendo. Fomos finalistas em 2009, mas agora queremos dar outros saltos com novas parcerias”, contou Alceu Avelar de Araújo, da organização.

ONG Cores – projeto Escola de Ser

Vencedor regional na categoria micro porte, o projeto foi criado por um grupo de educadores que buscavam uma educação diferente da tradicional, com base nos princípios da Escola da Ponte, de Portugal, para articular cultura e educação. Para isso, a Escola de Ser oferece oficinas de música, cinema, circo, inglês, desenho de moda, culinária, entre outras, a crianças e adolescentes de bairros considerados mais violentos do município de Rio Verde (GO). O projeto é realizado pela organização Cores, fundada há mais de cinco anos por médicos, psicólogos, pedagogos e assistentes sociais do município de Rio Verde. Até hoje a organização já formou mais de 10 mil educadores e seus projetos atenderam mais de 80 mil crianças e adolescentes. “O Prêmio Itaú-Unicef foi uma grande conquista tanto para os professores como para as crianças da ONG. Agora Com este reconhecimento, iremos ampliar as atividades e atender as crianças e adolescentes nos dois turnos da escola”, disse Pollyana Leite Schervenski da Costa, representante da organização.