Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Especialistas apontam desafios para a efetivação da educação integral

Há pouco mais de uma década, o debate sobre educação integral vem ganhando espaço e importância, principalmente no âmbito das políticas públicas e organizações sociais. A diversidade das experiências identificadas em todo o País constitui um campo fértil para a pesquisa e aponta a necessidade de reflexão acerca dos rumos a serem trilhados e dos desafios para a efetivação de uma educação que considere o ser humano em todas as suas dimensões: física, afetiva, cognitiva, intelectual e ética.

Entre as metas do novo Plano de Desenvolvimento da Educação, (PDE) que tramita no Congresso Nacional, está a de que 50% das escolas públicas brasileiras tenham jornada ampliada em dez anos. Atualmente, 10,5 mil escolas de jornada ampliada oferecem atividades socioculturais associadas ao currículo formal, contribuindo para ampliar o repertório de crianças, adolescentes e jovens. A meta do Ministério da Educação (MEC) é que esse número salte para 15 mil neste ano, por meio do programa Mais Educação.

É neste contexto que a Fundação Itaú Social e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), com a coordenação técnica do Centro de Estudos em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), reuniram especialistas brasileiros e estrangeiros, gestores públicos, educadores e representantes de ONGs entre os dias 29 e 30 de março, em São Paulo, para o Seminário Internacional de Educação Integral e o lançamento da 9ª edição do Prêmio Itaú-Unicef 

Segundo especialistas no tema, a concepção de educação integral, que vai além da ampliação da jornada escolar, parte do pressuposto de que é preciso aliar os saberes formais aos saberes das famílias e comunidades, integrando tempos, espaços e conteúdos. Para isso, há que se superar uma série de desafios que estão relacionados a aspectos metodológicos e à proposta curricular, à formação dos educadores, ao envolvimento das famílias e comunidades e à questão da intersetorialidade.

No intuito de contemplar essas questões, especialistas foram convidados a compartilhar experiências com o público por meio de debates, divididos em três mesas temáticas: Metodologias inovadoras que permitam a integração de tempos, espaços e conteúdos, Envolvimento da família e valorização dos saberes da comunidade e Potencializar o diálogo intersetorial.

Veja também:

Tempos, Espaços e Conteúdos

Famílias e comunidades em prol da educação integral

Intersetorialidade: uma questão urgente para a efetivação da educação integral

Especialistas dialogam sobre importância de se reconhecer crianças, adolescentes e jovens como sujeitos de direitos