Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca

AGÊNCIA DE

Notícias

Institucional

Dia do Brincar: cartilha “Brincadeira em Família, do Polo, traz 25 atividades para que adultos e crianças brinquem juntos

Lembrada neste sábado (28), a efeméride reflete sobre o direito da criança poder brincar e como essa prática contribui para a sua aprendizagem


A brincadeira é parte importante para o amadurecimento de uma criança, pois permite que ela desenvolva seus pensamentos e habilidades, além de incentivar a imaginação. Com o objetivo de lembrar a importância de  incentivar essa prática em família, neste sábado, 28 de maio, é celebrado o Dia do Brincar.

O Itaú Social entende que a brincadeira contribui para a aprendizagem infantil, além de estar garantida pela Constituição Brasileira, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, e preconizado pela ONU (Organização das Nações Unidas). Por isso publicou, com o apoio técnico do CENPEC Educação, a cartilha “Brincadeira em Família”.

A publicação traz 25 opções de atividades que fazem parte da tradição oral brasileira para que adultos e crianças brinquem juntos. Está disponível gratuitamente no ambiente de formação do Itaú Social, Polo.

“Quando uma pessoa adulta brinca com uma criança, se estabelece um momento de  afeto e de cuidado, além de fortalecer os vínculos entre os brincantes. As atividades lúdicas podem colaborar com a construção da autoconfiança e da autoaceitação. É também uma ótima oportunidade de aprenderem, de forma lúdica, sobre o mundo e o que está ao seu redor” explica a especialista em educação do Itaú Social, Juliana Yade. 

Confira dez das recreações presentes da cartilha Brincadeira em Família

CESTO DO TESOURO

Indicação: a partir de zero ano

Coloque em um cesto objetos diferentes que interessam ao seu bebê, no qual ele brinque no seu cotidiano. É importante que os objetos ofereçam a possibilidade para que a criança consiga explorar seus sentidos (tato, visão, olfato, paladar e audição). Com esta dinâmica, sempre que o Cesto for oferecido, a criança saberá que é a hora da brincadeira.


PARLENDAS E CANTIGAS

Indicação: a partir de zero ano

Parlendas são textos recitados em ritmos. São muito usados para memorizar tempo, gestos e nomes de animais e plantas. Entre os exemplos estão “Hoje é domingo, pede cachimbo…” e “Cadê o toucinho que estava aqui, o gato comeu…”. Além de divertir, o contato com os versos ritmados auxilia a trabalhar a fala e as demais formas de expressão. 


ESTÁTUA

Indicação: a partir de dois anos

A brincadeira começa com os participantes fazendo uma trilha enquanto um deles canta uma parlenda. Quando o “cantor” para, os demais viram “estátua”, imóveis na posição em que estão. O “cantor”, então, vai provocá-los para fazer com que se mexam. Ganha o último que resistir. 


CADA MACACO NO SEU GALHO

Indicação: a partir de três anos

É uma espécie de pega-pega, no qual o pegador é o “chefe dos macacos” e os outros são “macaquinhos” que precisam fugir. Os “galhos” são os locais de segurança dos macaquinhos, que podem ser algum sofá, cadeira ou banquinho.  É importante combinar quais são esses móveis para evitar acidentes.


BATATINHA FRITA

Indicação: a partir de três anos

A brincadeira ficou mais conhecida pelos jovens após a série coreana “Round 6”, de 2021. Virado de costas, o “observador” (ou chefe do jogo) canta pausadamente: “Ba-ta-ti-nha-fri-ta-1-2-3”, enquanto os jogadores correm de um ponto ao outro. Quando o “observador” vira de frente, os participantes têm que virar estátua. Aquele que se mexer é eliminado do jogo e a corrida é reiniciada. 


CORRIDA PÔ

Indicação: a partir de três anos

É uma corrida na qual se colocam diferentes obstáculos, como em um circuito. Eles podem ser os utensílios de casa, como almofadas, cadeiras e armário. Antes do percurso é feito um jogo de jokenpô para definir quem será o primeiro a realizar a corrida.


GATO MIA

Indicação: a partir de quatro anos

Um esconde-esconde no escuro! Para essa brincadeira é recomendada mais de três pessoas. A regra é que todos fiquem no mesmo quarto, com a luz apagada. O pegador é o “caçador” que terá que encontrar os “gatos” a partir do seu miado. Mas não basta pegá-lo, tem que adivinhar  quem é. 


CASA DA BRUXA

Indicação: a partir de quatro anos

Nesta brincadeira, a “bruxa” estará fantasiada com algum adereço que a identifique, podendo ser um chapéu, uma capa ou uma vassoura. Os outros participantes estarão presos dentro da “casa da bruxa”, e para escapar, terão que fazer um desenho dentro de um prazo determinado por ela. Caso a “bruxa” acerte o que está no desenho, o participante desenhista poderá escolher se quer fugir ou se tornar a bruxa na próxima rodada.


PEGA-PEGA BRUXA

Indicação: a partir de quatro anos

A “bruxa” nesta brincadeira é o pegador, que ao tocar em outro participante, poderá transformá-lo em um desses três objetos: árvore, ponte ou pedra. Os outros fugitivos poderão “quebrar o feitiço” de seu colega das seguintes formas: Árvore – rastejando por baixo; Ponte – passando embaixo; Pedra – saltando por cima.


MUSEU DE CERA

Indicação: a partir de cinco anos

Semelhante à estátua, neste jogo é necessário ter diversos desenhos ou imagens de animais e objetos. Uma dessas figuras será sorteada pelo participante, que terá a missão de “modelar” um de seus colegas para que ele represente a imagem escolhida. A partir da posição em que o colega foi deixado, os outros participantes terão que adivinhar qual a imagem que o “boneco” está representando.


GATO E RATO

Indicação: a partir de cinco anos

O “gato” é o pegador e precisa dar um tempo para o “rato” se esconder. Para isso, fecha os olhos enquanto conversa com os outros participantes, que são os “auxiliares”. O “gato” pode ser vendado ou ficar de frente para a parede enquanto que o “rato” se esconde. Os auxiliares podem ajudar na caçada ao “gato”, orientando se ele está “quente”, caso esteja próximo ao “rato”, ou “frio”, se está distante.


Dicas
A cartilha também apresenta dicas para a família incluir as brincadeiras em sua:

1- Escolha um horário em que as crianças não estejam cansadas ou com fome, tampouco precisem relaxar logo depois; 

2- Organize o espaço em que a brincadeira acontecerá. Há três motivos para isso: facilitar a circulação e garantir a segurança; mostrar a todos que diferentes ambientes da casa podem ter usos variados; e chamar as crianças para a brincadeira; 

3- Use os materiais que possui, faça as adaptações necessárias, ajuste as propostas ao que é possível na casa e reinvente as brincadeiras tradicionais, do tempo dos pais, tios, avós e bisavós;

4- Em algumas atividades, os brincantes têm papéis definidos. Por exemplo, alguém precisa ser o pegador e os demais, os fugitivos. Procure revezar esses papéis, isso aumenta a autonomia das crianças e pode tornar a brincadeira mais divertida para todos. Contudo, o ideal é que o adulto comece exercendo o papel de quem comanda até que as crianças aprendam;

5- As crianças gostam de repetir as brincadeiras. Então, não se preocupe em oferecer sugestões novas todos os dias. Elas podem ser repetidas enquanto estiverem despertando interesse;

6- As mesmas brincadeiras podem ser muito divertidas em diferentes idades. Contudo, a partir de determinada fase, a criança terá mais condições de entender as propostas, desenvolvendo-as com mais autonomia.