Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Conheça os vencedores da etapa regional de São Paulo

A Fundação Itaú Social e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) anunciaram ontem em São Paulo (SP) os quatro projetos vencedores da regional que congrega os municípios da capital paulista, Grande São Paulo e Litoral. Nesta regional, foram selecionados um projeto de São Paulo, um de São Bernardo do Campo, um de Osasco e outro de Guararema. Cada organização recebeu como prêmio R$ 25 mil e participará da etapa nacional do programa.

O estado de São Paulo recebeu a inscrição de 700 projetos socioeducativos desenvolvidos por organizações sem fins lucrativos.

Este é o terceiro de oito eventos regionais programados para outubro, nos quais serão anunciados até 32 projetos finalistas entre os 2.713 inscritos em todo o País. Na última etapa da 10ª edição do Prêmio Itaú-Unicef, serão selecionados cinco projetos: quatro projetos Vencedores Nacionais, que receberão, além da premiação regional, mais R$ 100 mil cada e o Grande Vencedor, que receberá mais R$ 225 mil. A premiação nacional será realizada no dia 28 de novembro em São Paulo.

Conheça os projetos finalistas do pólo regional São Paulo

Projeto Virando o Jogo, da Fundação Gol de Letra – São Paulo/SP

Vencedor na categoria Grande Porte

A ampliação do repertório educacional, social, cultural, da promoção da autonomia e do exercício da cidadania são alguns dos objetivos do Projeto Virando o Jogo, da Fundação Gol de Letra, de São Paulo. A Instituição atende 240 crianças e adolescentes e desenvolve a convivência, a afetividade e pertencimento ao grupo, habilidades de multiplicação e mediação para jovens, relação de respeito aos saberes da família, escola e comunidade. São ofertadas oficinas em oito linguagens: leitura e escrita, informática, artes plásticas, dança, música, capoeira, teatro, educação física. “Receber o Prêmio Itaú-Unicef é muito gratificante porque é o reconhecimento de um trabalho de 15 anos da fundação gol de letra, do projeto Virando o Jogo e de toda a equipe e comunidade envolvida nessa iniciativa. Além disso, a premiação é muito importante para a Fundação pois proporciona credibilidade e visibilidade ao projeto, favorecendo a construção de novas parceiras e da própria sustentabilidade da iniciativa”, comentou Patricia Liberali, coordenadora pedagógica do projeto.

Projeto Comunidade do Ere – Fazendo Arte com Criatividade, da Associação Eremim Ação Social de Promoção da Cidadania e Desenvolvimento Humano – Osasco/SP

Vencedor na categoria Médio Porte

Desenvolvimento pessoal e social, protagonismo, revitalização da comunidade, abordagem multissetorial são destaques do projeto, que atende 250 crianças e adolescentes e oferece atividades como arte, teatro, hip hop, grafite, dança, música, percussão, canto coral, educomunicação, design gráfico, inclusão digital, recreação, formação dos pais. “O prêmio revalida o nosso trabalho e mostra a importância de construir parcerias sólidas com a comunidade e outros órgãos de assistência social para trabalhar melhor com crianças e jovens. Além disso, por conta das formações que recebemos durante o processo de seletivo, o prêmio nos desafia a inovar e dá animo para sempre fazermos melhor”, reforçou Renata Paredes, coordenadora pedagógica da ONG.

Projeto Preservando a Vida, do Núcleo de Apoio ao Pequeno Cidadão – São Bernardo do Campo/SP

Vencedor na categoria Pequeno Porte

Preservando a Vida, projeto desenvolvido pelo Núcleo de Apoio ao Pequeno Cidadão, de  São Bernardo do Campo, atende 240 crianças e adolescentes e ocorre em três etapas: Natureza Feliz, Conscientização: cidadão; Reescrevendo a vida. Inclui artes e dança, música, mídia, esportes, teatro, skate, dança. Ações conjuntas com escolas públicas, grêmio estudantil, participação das crianças na construção das oficinas, formação de multiplicadores, elaboração de material para mídia, rádio local e comissão de mães são destaques do projeto. “A nossa participação no prêmio foi muito interessante, pois nos mostrou a importância de fortalecer os vínculos com a comunidade de se formar novas parcerias para diversificar as atividades ofertadas, ampliando as formas de aprendizagem. Com a premiação, além de ampliarmos nosso atendimento, também poderemos servir de inspiração e estimulo para outras ONGs que desenvolvem projetos, mas ainda não percebem como parcerias com a comunidade podem ser tão ricas. Hoje atendemos 240 crianças e graças ao prêmio poderemos ampliar o nosso atendimento e beneficiar mais 120 crianças”, frisou a coordenadora de projetos da ONG, Valquíria Moraes.

Projeto Fazendo Arte, da Associação Olhos de Águia – Guararema/SP

Vencedor na categoria Micro Porte

Sucesso escolar, motivação, formação e integração profissional são os três pilares do Projeto Fazendo Arte, da Associação Olhos de Águia, de Guararema. É um espaço de acolhimento e pertencimento para 60 crianças e adolescentes de 12 a 17 anos, que participam de oficinas de teatro, monitoria em recreação, educomunicação (mídias sociais e digitais; elaboração de vídeos, boletins e produções literárias) com abordagem lúdica. O Projeto estimula o protagonismo e a realização de  intervenções de impacto na comunidade. “Além de nos ajudar a beneficiar mais crianças e jovens, o processo de formação do prêmio foi muito importante para nos dar a confiança para firmar novas parcerias, principalmente, com as escolas. Percebemos que dessa forma poderemos ampliar a nossa rede de contatos e de atendimentos, bem como aproximar a população das nossas atividades”, disse Edilaine da Silva de Oliveira Mello, presidente da ONG.