Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Avaliador de projetos sociais

Fundação Itaú Social – Conte um pouco sobre sua experiência como consultor do Programa Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social.

Naercio Menezes Filho – Comecei minha carreira avaliando projetos na área de qualificação profissional e desenvolvi um trabalho acadêmico em educação sobre o cálculo de retorno econômico. Em 2003, fui convidado para trabalhar como consultor da Fundação. A intenção era aplicar a metodologia de avaliação econômica de projetos na área social. Primeiro, ela foi desenvolvida exclusivamente para avaliar os projetos feitos pela Fundação e, mais tarde, pensamos em um formato de disseminação dessa cultura para disponibilizar em cursos e seminários.

FIS – O que compreende a avaliação econômica de projetos sociais?

Naercio – Ela é composta por duas partes: avaliação de impacto e retorno econômico. Na primeira, a intenção é saber se o trabalho atinge os objetivos propostos e como muda a vida dos beneficiários. A segunda revela o custo-benefício do programa. Serve para informar se foram gastos muitos ou poucos recursos para atingir a meta e se eles foram empregados com eficiência.

FIS – Por que é importante que os projetos sociais sejam avaliados pela metodologia de avaliação econômica?

Naercio – Os projetos sociais se multiplicaram em pouco tempo. Atualmente, as pessoas empregam grande quantidade de recursos e dedicam mais tempo do que antes para as organizações não-governamentais (ONGs). Por esses motivos, é fundamental medir se realmente as ONGs estão transformando o dia-a-dia das pessoas. Sem avaliação, não é possível saber se o projeto consegue ou não bons resultados.

FIS – Quais requisitos são necessários para que projetos sociais sejam avaliados por essa metodologia?

Naercio – É preciso acompanhar e obter informações dos beneficiários do projeto como emprego, renda, escolaridade, frequência escolar, idade, situação da família, educação dos pais etc. São dados importantes para saber o que acontece com as pessoas após o programa. Também é fundamental um grupo de controle, ou seja, uma turma que tenha características parecidas com as dos beneficiários em vários aspectos, mas que não participaram do programa. Essa medida serve como comparação. Depois, é preciso fazer a avaliação dos custos, ou seja, saber quanto foi gasto nas diferentes etapas. A intenção é calcular o custo-benefício.

FIS – Quais são as limitações e as potencialidades dessa metodologia?

Naercio – A principal limitação é que ela não é a única que pode ser feita para avaliar projetos sociais e sim um dos ingredientes para chegar ao valor real. Muitas vezes, a avaliação de impacto não consegue explicar as razões para um resultado alcançado. Sobre as potencialidades, vou dar um exemplo. Se a avaliação mostrou que não há impacto na vida do público-alvo, pode ser que o programa tenha sido mal desenhado ou que os beneficiários não estejam participando com a frequência desejada ou, ainda, que o programa não ensina o que é útil para o mercado de trabalho.

FIS – Na sua experiência, o que você percebe como ganho para quem faz o curso Avaliação Econômica de Projetos Sociais desenvolvido pela Fundação Itaú Social?

Naercio – Há muitos ganhos. Perceber a importância de avaliar, seguir os beneficiários mesmo após seu término, ter dados sobre os custos do projeto e saber distinguir o que é avaliação de impacto de outros tipos são alguns deles. Só de perceber a evolução da turma no primeiro dia de aula para o último, é impressionante. É importante lembrar que os alunos do curso conseguem fazer uma avaliação preliminar. Dificilmente fazem uma completa e definitiva porque, muitas vezes, eles não têm dados suficientes para isso. O curso serve mais como treinamento.

FIS – Comente uma avaliação feita por você.

Naercio – A avaliação do Programa Jovens Urbanos, também da Fundação Itaú Social, teve uma peculiaridade: além de ser um projeto muito importante, foi determinado que os jovens que fariam parte do programa seriam sorteados entre todos os inscritos. Não foi fácil a condução deste processo de avaliação, mas, sem dúvida, os resultados alcançados foram muito interessantes.