Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional
Notícias Que tal você fazer também?

Aulas remotas que engajam a família

Com passo a passo em texto e orientações via WhatsApp, professor de Várzea Grande (MT) viu as tarefas da disciplina de iniciação científica se transformarem em atividades divertidas que atraíram os alunos e seus pais


Misael do Espírito Santo é professor em escola pública em Várzea Grande (MT): reinvenção na pandemia. Foto: Arquivo pessoal

Por Lidiane Barros, Rede Galápagos, Cuiabá (MT)
Depoimento de Misael do Espírito Santo, professor de ciências e iniciação científica da Escola Estadual Honório Rodrigues Amorim, em Várzea Grande (MT)

Havia uma insegurança de que o ensino remoto poderia comprometer a prática das aulas de iniciação científica. Mas qual não foi minha surpresa quando constatei que elas continuavam despertando ansiedade e euforia nos alunos, mesmo sendo aulas remotas sem a minha supervisão direta. E, muito além das minhas expectativas, elas acabaram por mobilizar um outro grupo: a família. 

Recebi uma enxurrada de áudios e ligações de pais que relatavam o resultado empolgante do experimento da “lâmpada de lava”, realizado pelos estudantes do 9º ano, na escola onde leciono, a Honório Rodrigues Amorim, em Várzea Grande, em Mato Grosso. A tarefa virou diversão entre pais e filhos, que providenciaram os “ingredientes” e “colocaram a mão na massa”. 
Primeiro, passei as informações por áudio, no nosso grupo de WhatsApp, e depois fiz um passo a passo em texto. Na lista, água, óleo, corante de beterraba e um ácido efervescente. Como a gente não podia apresentar o experimento presencialmente na feira científica que realizamos anualmente, pedi apoio a um aluno, que se prontificou a ir ao meu encontro. Foi o Thomas quem protagonizou este vídeo, disponível no canal do YouTube Educação de Tempo Integral, do governo de Mato Grosso.

Imagem do vídeo com o experimento feito pelo aluno: água, óleo, corante de beterraba e ácido efervescente para observação de reações químicas

Os demais enviaram por WhatsApp seus vídeos como avaliação dessa que é a disciplina de iniciação científica e prática experimental, uma aula complementar ao conteúdo da sala de aula. Ao longo do ano eles fizeram também o experimento da osmose na batata, do cabo de guerra eletrostático — para mostrar o campo eletromagnético que se forma quando ocorre inércia entre os corpos — e do filtro de água caseiro, que mostra como é possível filtrar a água usando materiais recicláveis.

Vale ressaltar que nossa escola é em período integral e, antes da pandemia, os alunos permaneciam por lá entre as 7h e as 16h. Com a manutenção da suspensão das aulas presenciais, pela manhã participam das aulas remotas via Google Classroom e, de tarde, têm de desenvolver as tarefas. Nós, os professores, permanecemos atentos às demandas que surgem, prontos para responder às dúvidas que eventualmente eles tiverem sobre o conteúdo ministrado pela manhã e para auxiliá-los com as tarefas. Mas, nestes novos tempos, tudo ocorre via WhatsApp.  

A palavra de ordem é a reinvenção. Eu nunca havia dado uma aula à distância, antes. E agora, além de elaborar conteúdo e me envolver em outras demandas pedagógicas que surgem nesse novo tempo, tenho que manter aquecida a interação para que continuem conectados à escola. 

Há outras questões alheias à nossa vontade que comprometem um pouco os planos. Mas, de nosso lado, seguimos vigilantes. Para garantir que no novo ano letivo os alunos fossem matriculados, o governo estadual tem oferecido um kit alimentação. 

Com os recursos da escola, nossa equipe também montou um kit escolar com caderno, lápis, borracha, caneta e apostilas, sabendo da dificuldade que muitas famílias teriam em adquirir esses itens.

Misael na sala de aula, em foto pré-pandemia: desafios do isolamento fizeram professores, alunos e famílias usarem mais vídeos e aplicativos de mensagens para realizar as tarefas da disciplina de iniciação científica. Foto: Arquivo pessoal

Todos os nossos esforços visam a continuidade dos estudos.  E, para isso, é necessário manter o vínculo com os alunos, despertar a sua curiosidade e estimular a sua criatividade. 

Saiba mais

Leia mais