Ir para o conteúdo Ir para o menu
Polo de desenvolvimento educacional

A festa continua

Mulheres entre laranjeiras,

Casas entre bananeiras,

Eta cidadezinha qualquer!

Mas gosto dessa cidade.

Ela é bonita,

Ela é simples,

Ela é Cajamar

Uma bela cidade para morar.

O poema Cidadezinha Qualquer (reproduzido acima) é de Juliana de Oliveira Campos, de 10 anos. Ela está na 4ª série, da EMEF Maria de Lourdes Mattar, em Cajamar, que fica a cerca de 40 quilômetros de São Paulo. Juliana e mais cinco estudantes da cidade se classificaram na etapa da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, promovida pela Fundação Itaú Social e pelo Ministério da Educação.

Enquanto os autores aguardam ansiosos os resultados de quem vai para a próxima fase, a Diretoria Municipal de Educação de Cajamar organizou um sarau literário com os selecionados na última quinta-feira (9). “Queremos valorizar as produções escritas das crianças e dos jovens e, com isso, estimular que todos escrevam cada vez mais e melhor”, afirma Lúcia Maria de Carvalho, diretora de ensino.

No evento, os alunos puderam ler seus textos para uma platéia formada por pais, irmãos, professores e pessoas da comunidade. Depois, cada um recebeu um certificado de participação confeccionado pela Diretoria. A garota Vanessa Alcântara Garcia, de 15 anos, está na 8ª série da EMEF Antonio Pinto de Campos. Ela fez um texto de memória intitulado Tesouros Ocultos e, para isso, conversou junto com seus colegas de classe com um antigo morador do município.

Vanessa conta que seu maior desafio foi colocar na escrita a emoção do entrevistado. “Ele é emotivo e poético”, conta. “Fiquei pensando como iria expressar isso no texto.” Junto com sua professora Andrea Costa Rosa Nascimento, ela chegou ao seguinte resultado:

…Meu pai trabalhava na companhia de trem como controlador de tráfego, para trabalhar ele usava um telefone a manivela, eu levava marmita para ele. Desculpe-me por meus olhos marejados de lágrimas, mas é que eu nunca pensei que um dia a ferrovia, a vila fossem se tornar patrimônio histórico brasileiro, sinto orgulho e saudades !…

Tanto Juliana como Vanessa nunca trabalharam com esses gêneros. Isso aconteceu graças às propostas contidas no Caderno do Professor, material distribuído aos participantes inscritos na Olimpíada e o resultado é esse que se apresenta: “textos de qualidade!”, como atesta a diretora de educação. Lúcia sinaliza mais um aprendizado. “O caminho para se escrever bem é ler bastante.”