Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a Busca
Polo de desenvolvimento educacional

Cada hora importa


Estudante do nono ano do Ensino Fundamental de uma escola privada, ⠀⠀Nilo⠀⠀ é filho único de pais empresários. Quando era criança, seu pai adorava ler livros e contar histórias de heróis para o menino dormir. Sua mãe também gostava de propor novas brincadeiras para ajudar no seu desenvolvimento. Agora, com 14 anos, o adolescente concilia as aulas de inglês, natação e guitarra na sua agenda. Antes da pandemia, frequentava cinema ou teatro aos fins de semana e nas férias aproveitava uma colônia com seus amigos escoteiros.

⠀⠀Caíque⠀⠀ cursa o nono ano do Ensino Fundamental numa escola pública. Ele conta que a mãe não lia livros para ele. Como ela trabalhava o dia todo em uma indústria, ficava cansada e não tinha muito tempo para brincar e dividir a atenção com os quatro filhos. Aos 12, queria frequentar a escolinha de futebol, mas o orçamento da família não permitia. Aulas de inglês, somente na escola. Foi ao cinema uma única vez, mas ainda não teve a chance de ir ao teatro. Nas férias, a diversão é ficar entre os amigos e usar a internet compartilhada com os vizinhos, já que em sua casa não há banda larga.

Os personagens são fictícios, mas o impacto socioeconômico na vida dos estudantes é real, conforme aponta o estudo “Cada Hora Importa, realizado pelo Itaú Social.

Ao final do 9º ano do Ensino Fundamental, crianças como Caíque, com famílias de baixa renda, recebem ⠀7.124 horas de aprendizado a menos⠀ do que meninas e meninos como o Nilo, que têm famílias mais abastadas. ⠀Esse período equivale a 7,9 anos de uma escola regular.⠀


Ao final do 9º ano, crianças de famílias
de alta renda recebem 7.124 horas
a mais de aprendizagem

936 horas

Aprendizado em família
Diferença de horas de dedicação de mães/pais a atividades de leitura e brincadeira com as crianças.

1.944 horas

Educação infantil
Diferença na frequência e no volume de horas das crianças na educação infantil (creche e pré-escola).

1.132 horas

Atividades extracurriculares
Diferença na frequência e horas dedicadas a cursos de idiomas, artes e esportes e a atividades culturais, como cinema, teatro e museus.

2.232 horas

Oportunidades nas férias
Diferença na frequência de atividades estruturadas durantes as férias escolares.

830 horas

Aprendizado na internet
Diferença de horas de dedicação a estudos e pesquisas escolares usando a internet do domicílio.

O tempo de aprendizagem é uma oportunidade distribuída de maneira desigual e os estudantes em desvantagem sofrem as consequências disso.

Por um lado, crianças com 10% maiores rendas aprendem a ler, criar, persistir e resolver problemas por meio das mais diversas experiências de aprendizagem.

No outro extremo, crianças das famílias com 10% menores rendas têm menos acesso a oportunidades de aprendizagem.


Mas, o que significa uma diferença de 7.124 horas?

Como este valor pode ser interpretado em termos mais práticos?

E se essas horas fossem
carga horária de uma
⠀ESCOLA REGULAR⠀
(de 900 horas/ano)?

As crianças mais ricas teriam estudado 7,9 anos a mais que as crianças mais pobres.

se essas horas fossem
carga horária de uma
ESCOLA INTEGRAL
(de 1.800 horas/ano)?

As crianças mais ricas teriam estudado 3,9 anos a mais que as crianças mais pobres.

E se essas horas fossem
ATIVIDADES DE CONTRATURNO
(de 2 horas/dia)?

As crianças mais ricas teriam passado 3.562 dias a mais em atividades de contraturno.


O estudo

Perfil das crianças analisadas

Crianças de 0 a 14 anos de idade, que vivem em famílias em extremos de renda per capita.

Famílias com menos oportunidades

10% menores rendas per capita (até R$ 175,00) – Representam 13% da população.

Famílias com mais oportunidades

10% maiores rendas per capita (a partir de R$ 2.400,00) – Representam 7% da população.

FONTE DE DADOS

O estudo colocou em diálogo dados oriundos de pesquisas com abrangência nacional e com possibilidade de identificação do perfil econômico das famílias.

PNAD 2019 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios): pesquisa que permite identificar a frequência escolar (formal) das crianças de todas as idades.

POF 2017-2018 (Pesquisa de Orçamentos Familiares): permite identificar os gastos com as atividades de lazer/cultura e com cursos extracurriculares. A POF foi utilizada para estimar os cortes nos extremos de 10% de rendas.

Censo Escolar 2019: permite calcular a carga horária de cada etapa de ensino para diferentes perfis de escola.

Primeiríssima Infância – Interações 2020: pesquisa de abrangência nacional realizada pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal que permite identificar a frequência de leitura e brincadeira com crianças de 0 a 3 anos.

TIC Domicílios 2018: pesquisa realizada pelo CGI.br/NIC.br que investiga o acesso e os usos de tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros.