Ir para o conteúdo Ir para o menu

Linha de atuação

Recursos para quem quer realizar

Formação para quem quer aprender

Agenda Juventude

Nos últimos anos, os jovens brasileiros estiveram na pauta nacional, protagonizando movimentos que carregavam uma mensagem forte: nós queremos participar. Dos rolezinhos às ocupações, as juventudes provaram que são agentes de inovação e podem contribuir na formulação de programas e políticas sociais. Porém, são também a população brasileira mais vulnerável frente às desigualdades sociais. Como propor uma agenda que leve em conta este contexto desafiador e, ao mesmo tempo, abra espaço para explorar as potencialidades da juventude?

  • Acreditamos que as juventudes brasileiras precisam ser acompanhadas de perto, por meio de metodologias que levem a ações que combatam o quadro geral de desequilíbrio e promovam o seu protagonismo.

 

O contexto

Os jovens brasileiros vivem realidades muito distintas. Por isso, atuar em prol dessa faixa etária representa um grande desafio de leitura de cenários e de identificação de oportunidades distintas.

  • Nós entendemos que o trabalho com as juventudes brasileiras demanda um esforço adicional de entendimento, que se dá no campo, na ação direta com esses jovens.

 

Finalidade

A proposta da Agenda Juventude é atuar com jovens brasileiros residentes em periferias de grandes centros urbanos, aprofundando questões latentes no campo, que dialogam com o campo da identidade e pertencimento, demandas por oportunidades educacionais, de geração de renda e de participação política e cidadã.

O Itaú Social tem como legado de atuação 13 anos (2004 a 2017) de aprendizagem sobre o trabalho com juventudes por meio do Programa Jovens Urbanos, que em 2004 inovou trazendo para o debate social quatro estratégias formativas que ainda hoje pautam a Agenda Juventude. São elas: o explorar (direito à cidade), o experimentar (tecnologias), o expressar (comunicação) e o produzir (intervenção).

Para compor esse trabalho no campo das juventudes brasileiras, adotamos algumas premissas:

  • o princípio da incompletude, que mantém a porosidade da Agenda no sentido de torná-la em constante diálogo com o campo;
  • a centralidade das estratégias das próprias juventudes como geradoras de soluções sociais inovadoras;
  • a territorialidade como fio condutor do investimento social em metodologias de trabalho com jovens.

 

Descrição do programa

O “Agenda Juventude” tem por objetivo propor ações que valorizem a juventude brasileira e contribuam para a redução do quadro de desigualdade social do país, bastante evidenciado nessa faixa etária. A intervenção se dá por meio de três pilares:

  • na localização de tendências e na promoção de agendas prioritárias para jovens;
  • no fomento de ações em favor da população jovem, em territórios populares, em consonância com as agendas prioritárias;
  • na concepção de formas de intervenção inovadoras e que contribuam para o aprimoramento de metodologias de trabalho com juventudes residentes em periferias de centros urbanos.

Eixos estratégicos:

  • identidades e condição juvenil;
  • cidade e território;
  • tecnologias da informação e da comunicação;
  • processos educativos;
  • mundo do trabalho;
  • participação social e política.

 

Parceiros

  • Arte e Cultura na Medida (Ação Educativa);
  • Juventude Empreendedora e Jovem Aprendiz (Cieds);
  • Vale do Dendê (Instituto Mídia Étnica).

 

Referências

  • Agenda Juventude Brasil. Pesquisa Nacional sobre Perfil e Opinião dos Jovens Brasileiros 2013;
  • Cadernos Juventude - Maleta Futura;
  • Estatuto da juventude;
  • Marcos conceituais e Metodológicos do Programa Jovens Urbanos (1 e 2);
  • Novos Fluxos na Busca por Oportunidades: Trajetória de Jovens nas Periferias da Cidade.